As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Xing Ling’, a linha de frente da guerra comercial com a China

Produtos baratos e algumas vezes falsificados testam a indústria brasileira

Carla Miranda

31 de janeiro de 2011 | 09h42

Atualizado às 10h44

O jornal britânico “Financial Times” publicou uma reportagem sobre o que tem sido chamado informalmente de Xing Ling no Brasil, o comércio de bens importados da China, normalmente produtos de preço baixo que procuram imitar, ou mesmo falsificar, aqueles de marcas consolidadas.

A reportagem cita como exemplo um celular com adesivo da Nokia em uma loja em São Paulo, cujo dono admite ser uma falsificação.

Para o “Financial Times”, esse tipo de produto, a imitação que em muitos casos chega a ser pirataria, está na “linha de frente” da guerra comercial entre o Brasil e a China.

Se tomarmos os números gerais da balança comercial entre os dois países, temos ideia de que o Brasil está em uma situação vantajosa. O País teve um superávit de US$ 5,2 bilhões com a nação asiática no ano passado.

No entanto, isso se deveu às exportações de commodities. Se considerados apenas os bens manufaturados, o Brasil teve um déficit recorde com a China, de US$ 23,5 bilhões. Sete anos antes, houve um superávit de US$ 600 milhões.

Para o “Financial Times”, “a crescente inundação de produtos chineses baratos está testando no Brasil está testando a relação” entre os dois países.

Inflação afasta multinacionais

Um reportagem do “New York Times” mostra que a inflação já tem afetado a vocação exportadora da China. Empresas multinacionais têm reduzido seus investimentos no país asiático devido à inflação local.

Produtos como calçados e camisas tiveram um reajuste de até 50% nos preços, o que desestimula as companhias internacionais a produzir na China. A inflação, no entanto, afeta mais as mercadorias de baixo valor agregado, em que matérias-primas representam uma grande parte do valor final. Produtos eletrônicos, como o iPad, da Apple, são pouco atingidos pela alta dos preços na China.

Leia a reportagem no site do “Financial Times” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.