As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Acidente da BP deixa pré-sal ‘no limbo’, diz Financial Times

Catástrofe nos EUA força Brasil a mudar regras de exploração e atrasa projetos

Carla Miranda

20 de julho de 2010 | 17h46

financial_times_pre_sal_reproducao_20072010.JPG
Reportagem do FT sobre o pré-sal: ‘realismo substitui euforia’

O acidente da BP (antiga British Petroleum) no Golfo do México, Estados Unidos, tende a deixar “no limbo” a exploração do petróleo na camada pré-sal do Brasil, afirma o jornal britânico Financial Times, na reportagem “Realismo sobre riscos substitui euforia na incipiente indústria de águas profundas do Brasil”.

—-
Siga o Radar Econômico no Twitter: @radar_economia
—-

A Agência Nacional do Petróleo deve levar um ano para fazer alterações em regras de seguranças. “O problema é que isso deixa a indústria no limbo nesse meio tempo”, afirma o diário.

As mudanças regulatórias devem provocar atrasos, aumento de custos e elevação do preço do seguro sobre a atividade de exploração em águas profundas, na avaliação do jornal.

Já existe um exemplo concreto do impacto da catástrofe no mercado brasileiro: a BP espera que a compra de dez blocos em águas profundas da Devon Energy seja aprovada no fim do ano, mas a Agência Nacional do Petróleo já disse que está revisando o acordo tendo em vista o acidente no Golfo do México.

ECONOMIA NO FACEBOOK
Visite a página de Economia do Estadão no Facebook, clique em ‘curtir’ e receba notícias como esta http://www.facebook.com/economiaestadao

Ações: 2º pior desempenho

A plataforma da BP que afundou ficava em águas profundas, assim como a região onde se concentra o petróleo pré-sal. Mas, no caso brasileiro “os desafios técnicos” da exploração são ainda maiores, diz o jornal.

Primeiro, porque o óleo está localizado em uma profundidade maior e a uma distância maior da costa. Depois, porque as altas temperaturas e a grande quantidade de dióxido de carbono no pré-sal podem danificar o equipamento de perfuração.

Além do mais, a camada de sal, que age como uma esponja, pode sofrer fissuras indesejadas durante a perfuração , dificultando o controle do tamanho do buraco a ser feito.

Na avaliação do FT, esses desafios, somados ao adiamento do projeto de captação de US$ 25 bilhões da Petrobrás, que deve ocorrer em setembro, contribuíram para que as ações da Petrobrás tivessem o segundo pior desempenho entre as empresas de petróleo neste ano, perdendo apenas para a BP.

Leia a reportagem no site do Financial Times (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.