As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Altos executivos ganham mais em São Paulo do que em NY

Salário médio é de US$ 600 mil por ano, acima do de NY, Londres e Hong Kong

Carla Miranda

27 de janeiro de 2011 | 15h54

“Onde um alto executivo custa mais? No Brasil.” Assim começa uma reportagem da revista britânica “The Economist” desta semana.

Os presidentes de empresa em São Paulo têm uma remuneração média de mais de US$ 600 mil por ano (sem contar bônus), valor acima do de seus pares de Nova York, Londres, Cingapura e Hong Kong. Os números são da Dasein Executive Research.

Na capital paulista, diretores de empresas tiram mais de US$ 200 mil por ano na forma de salário; em Londres, a média fica abaixo desse patamar.

Há que se considerar um fator importante: “A comparação embute o custo de contratação no Brasil: suas taxas trabalhistas estão entre as mais altas do mundo”, afirma a revista.

Mas o fato é que está havendo um “boom” na demanda por profissionais em todos os níveis: 64% dos empregadores dizem que é difícil preencher as vagas. Na China, os que sentem essa dificuldade são apenas 40%; na Índia, só 16%, segundo dados da agência de emprego Manpower. O Brasil forma apenas 35 mil engenheiros por ano, enquanto a Índia põe no mercado 250 mil, e a China, 400 mil.

Segundo a reportagem, a atual condição do Brasil tem motivado a repatriação dos executivos que saíram do País para trabalhar. David Braga, da Dasein Executive Research, disse que cerca de dez pessoas por dia procuram sua empresa com o objetivo de voltar ao País.

Leia a reportagem no site da “Economist” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.