As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Analistas: Atrasado, BC tende a subir juros a passos largos

Entre os especialistas que apareceram na imprensa, raros discordaram do BC

Carla Miranda

29 de abril de 2010 | 09h36

Atualizado às 9h54

Foram raras a vozes dissidentes, entre analistas do mercado financeiro, que apareceram na imprensa brasileira nesta quinta-feira, a respeito da decisão do Banco Central tomada ontem, de elevar em 0,75 ponto percentual a taxa básica de juros, a chamada Selic, de 0,75% ao ano para 9,5%.

A ideia quase unânime, nas declarações de especialistas aos jornais, é de que a Selic inicia, a partir de agora, um ciclo de alta a passos largos. As principais divergências são de quanto os juros devem subir e até quando.

As previsões sobre a magnitude do aumento ficam entre alta de 2,5 pontos (projeção do BES, para 11,25%) e de 4,25 (do Itaú, para 13%). Em relação à duração do ciclo de alta, reportagem do Estadão diz que a escalada da Selic deve terminar dois meses antes das eleições; já Illan Goldfajn, do Itaú Unibanco, disse ao Valor Econômico que o ciclo deve durar até 2011. 

SELIC ANIMA ESTRANGEIROS
 Coluna do Wall Street Journal aponta alta dos juros no Brasil como fator que melhora clima de investidores. MAIS

Os especialistas consultados pela imprensa frisaram, também, que os investidores tendem a ficar mais animados com essa decisão do BC por deixar claro que a instituição continua adotando medidas técnicas, mesmo em ano eleitoral.

Maurício Molan, do Santander, disse ao jornal Brasil Econômico que a reunião dos diretores do BC ontem foi uma das mais importantes dos últimos anos, por definir a postura do Copom (Comitê de Política Monetária do BC) no combate à inflação. Ele prevê que o ciclo de alta ora iniciado totalize uma elevação de 3,25 pontos percentuais (para 12% ao ano), num ritmo de 0,75 ponto por reunião.

O editorial de O Globo faz uma defesa do BC, considerando que a entidade “conquistou credibilidade” ao optar, ao longo dos últimos anos, pela decisão técnica, “haja ou não eleições”.

Também no Brasil Econômico, Juan Jensen, da Tendências Consultoria, afirmou que a decisão do BC “deixa o mercado animado”, pois comprova o compromisso com a inflação. Ao mesmo jornal, Flávio Serrano, do BES Investimentos, apresentou uma previsão um pouco menos ortodoxa: acredita que o juro básico subirá de 2,5% a 3% ao ano no atual ciclo de alta.

Octavio de Barros, do Bradesco, disse ao Valor Econômico que o Copom surpreendeu “muita gente” que via um Banco Central “menos obcecado pelo centro da meta”. Para ele, a inflação ficará acima do centro da meta neste ano, “mas o BC está mirando 2011”.

Roberto Padovani, do WestLB, apresenta uma visão diferente da maior parte dos analistas ouvidos pelos grandes jornais. Para ele, o ajuste de 0,75 ponto na Selic foi mais alto que o necessário. “Em 2008, o crédito era de 42% do PIB (Produto Interno Bruto) e hoje deve chegar a 50%, o que faz com que um esforço monetário menor consiga alcançar resultados semelhantes aos do passado”, afirmou ao Brasil Econômico.

O jornal afirmou em seu editorial: “Se há uma falta da autoridade monetária, aos olhos do mercado, esta reside no fato de que o BC tenha agido ‘atrás da curva’”,ou seja, tenha esperado a inflação subir para depois elevar os juros. “Deveria ter iniciado o ajuste de taxas na última reunião, quando essa necessidade foi consensual, mas a Selic ficou estável”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.