Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Analistas: mau resultado da Apple é ‘pausa’, não decadência

Principais economistas que cobrem a empresa mandam comprar os papéis

Carla Miranda

19 de outubro de 2011 | 11h53

Depois da morte de Steve Jobs vieram algumas notícias que poderiam ser interpretadas como a entrada da Apple em uma fase ruim.

Primeiro, houve a frustração com o lançamento do iPhone 4S, que não agradoiu o mercado, uma vez que anteriormente havia a expectativa de um iPhone 5. Depois, o balanço da empresa mostrou um lucro de US$ 7,05 por ação, quando investidores imaginavam ganhar US$ 7,39 por papel. Agora, como consequência desta última notícia, vem a forte queda das ações da Apple, em torno de 5%.

Mas os fãs da Maçã não precisam interpretar essas notícias como o início de uma decadência da empresa. Os principais analistas que acompanham a Apple estão recomendando a compra dos papéis da companhia. Para eles, essa queda nos papéis representa apenas uma “pausa” na trajetória de alta das ações, como disse o banco UBS, ou um “soluço”, nas palavras do Morgan Stanley, ou ainda um “respiro”, na visão do Deutsche Bank. Enfim, os principais analistas têm mais ou menos a mesma visão.

Citi, Goldman Sachs, UBS, Deutsche Bank e Bank of America recomendam a compra dos papéis, como mostra o site da Business Insider.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: