As sugestões mais bizarras para cortar o orçamento dos EUA

seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

As sugestões mais bizarras para cortar o orçamento dos EUA

nayarasampaio

24 de abril de 2013 | 18h40

O que os escoteiros, as cabras e um uniforme único para as Forças Armadas dos Estados Unidos têm em comum? Eles são exemplos de soluções que, na opinião dos contribuintes norte-americanos, contribuirão para diminuir o problema orçamentário do país. O levantamento das sugestões “bizarras” foi realizado pelo ‘Washington Post’.

Desde 2009, o governo de Barack Obama propõe uma espécie de enquete online na qual qualquer um poderia sugerir cortes de gastos que tornariam a gestão pública mais eficiente. Foram 86 mil opiniões desde então, mas só 67 foram adotadas de fato. Todos os anos, o governo americano seleciona as quatro melhores, totalizando 16 desde então. Além destas, outras 51 ideias foram acatadas e incluídas na proposta anual de orçamento.

Entre as sugestões, um dos cidadãos sugeriu que os escoteiros fossem os responsáveis por lavar, a um custo baixo, os carros do governo – e além disso ganhar medalhas de honra ao mérito.

Outro levantou dados para mostrar que o controle de ervas-daninhas e demais pragas fosse realizado pelo o que ficou cunhado como “as cabras do governo”. No lugar de agrotóxicos e mão de obra dispendiosos, um exército animal para combater as pragas.

A padronização dos uniformes de camuflagem das Forças Armadas é também outra maneira de cortar gastos, de acordo com um cidadão. Usar diferentes “uniformes de batalha” (e gastar para desenvolver isso), opina um eleitor, é um exemplo de falta de responsabilidade fiscal.

Outra sugestão diz que o envio de calendários impressos aos funcionários públicos todos os anos também é outra fonte de gastos a ser enxugada. “Uma vez que o governo já paga pelo uso do Microsoft Outlook, todos os funcionários deveriam usar esse calendário ‘de graça’ e eliminar os calendários impressos”, diz outro cidadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: