As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Banco de Silvio Santos pode atingir grau de investimento

Retorno dos títulos do Panamericano têm melhor evolução do que os do Itaú

Carla Miranda

28 de maio de 2010 | 14h57

silvio_santos_divulgacao_04062009.jpg
O animador Silvio Santos: negócio com a Caixa gera especulações (foto: divulgação)

Investidores especulam que o Banco Panamericano, do empresário Silvio Santos, pode atingir o status conhecido como grau de investimento, mostram dados levantados pela agência de informações Bloomberg.

Os títulos emitidos pelo banco têm se comportado de forma diferente da maior parte do mercado. O retorno dos papéis de uma dívida de US$ 500 milhões da instituição financeira com vencimento em 2020 teve leve queda de 0,06 ponto percentual, para 8,36%.

Enquanto isso, títulos semelhantes emitidos pelo Itaú Unibanco, que é o maior banco privado do País em valor de mercado, fizeram o caminho inverso, subindo 0,32 ponto percentual, ainda segundo dados da Bloomberg.

A queda no retorno de títulos de dívida indica melhora da confiança dos investidores na instituição que emite esses papéis. O grau de investimento, em oposição ao grau especulativo, é um atestado das agências de classificação de risco que aplicar em determinado papel é pouco arriscado. Em outras palavras, atingir o grau de investimento significa alcançar um novo patamar de credibilidade diante dos investidores.

Respaldo da Caixa

As especulações sobre a elevação da nota do Panamericano, segundo a Bloomberg, tiveram início quando o banco anunciou seus planos de vender 36% de seu capital para a Caixa Econômica Federal, que já é grau de investimento, com nota Baa3 pela agência Moody’s.

Agora, os investidores especulam que as autoridades reguladoras aprovarão a transação.

“Atualmente, o mercado espera que, assim que o Banco Central aprove o negócio, a nota do Panamericano seja automaticamente elevada por múltiplas agências”, afirmou à Bloomberg a analista Natalia Corfield, do ING Groep NV, em Nova York.

A analista Ceres Lisboa, da Moody’s em São Paulo, foi mais contida em declarações à Bloomberg: “Alguma coisa positiva está por vir, mas eu não sei se alcançará o grau de investimento”.  

Leia a reportagem original no site da Bloomberg (em inglês)

Leia tradução no site do Brasil Econômico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.