Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA: bancos fazem anúncio na TV contra redução de taxa

Eles tentam convencer o público de que novas regras atingirão os clientes

Carla Miranda

24 de maio de 2011 | 11h50

O lobby do setor bancário nos Estados Unidos atua junto ao grande público com o objetivo de limitar a tentativa do governo apertar a regulação do sistema financeiro, informa o site do “New York Times”.

As ações dos lobistas incluem propaganda na televisão e nos jornais. Um vídeo transmitido na rede de TV da região de Washington (veja acima ou clique aqui) diz que bancos e cooperativas de crédito serão sufocados e, consequentemente, os consumidores terão que pagar mais para usar cartão de débito. Entre os realizadores da propaganda está a Associação dos Bancos Americanos.

O “New York Times” observa, ainda, que bancos pequenos têm publicado anúncios em jornais afirmando que “Washington ajuda você a limpar a sua carteira”.

A mensagem passada nas propagandas é de que o governo precisa agir de leve na regulação dos bancos pequenos. A lógica é a de que, se as novas regras afetarem muito fortemente as instituições financeiras, são os clientes bancários que acabarão pagando a conta.

A propaganda na TV diz respeito a uma proposta específica, a de reduzir a taxa que os comerciantes pagam aos bancos quando vendem no cartão. O valor da taxa hoje varia entre 2% e 2,5% da transação,dos quais 1,65% em média vai para o emissor do cartão (banco).

Os bancos usam esse recurso para pagar os custos dos programas de cartões e cobrir risco de calote ou fraude. Se a taxa for reduzida demais, diz o anúncio, essa perda será compensada de outras formas. Por exemplo, pela cobrança de anualidade de cartões de débito ou pela taxação do uso de bancos online.

Segundo os bancos que participam da campanha, a proposta de reduzir a taxa dos cartões está no contexto de um estímulo ao setor varejista que soma US$ 12 bilhões.

Leia a reportagem no site do “New York Times” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: