coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Brasil é a projeção no espelho de uma imagem feia do México’, diz Financial Times

nayarasampaio

17 de abril de 2013 | 08h57

Fernando Nakagawa, correspondente da Agência Estado

LONDRES – O México está bonito na foto e o Brasil aparece feio. Esse é o resumo de uma reportagem publicada nesta quarta-feira em especial do site do jornal Financial Times sobre moedas e investimentos estrangeiros em 2013. Com o título “Brasil é a projeção no espelho de uma imagem feia do México”, o texto repete a tese de que o baixo crescimento da economia ameaça a atratividade do País na disputa por capitais estrangeiros. Para a reportagem, o governo e o Banco Central “estão mais ou menos” comprometidos com a meta de inflação e o câmbio flutuante.

“Brasil, o original guerreiro cambial acostumado a desencorajar os fluxos de capital durante os anos de boom entre 2009 e 2011, encontra-se agora em um mundo diferente no mercado cambial e no comércio global”, diz o texto assinado por Joe Leahy, chefe da sucursal do FT em São Paulo. “O Brasil foi um crítico da política monetária frouxa dos Estados Unidos e outros países desenvolvidos. Isso desencadeou uma enxurrada de dinheiro para o País, fortalecendo a moeda e tornando a indústria nacional menos competitiva. Mas o desafio de longo prazo parece cada vez mais ser como atrair o fluxo de capital estrangeiro ao invés de repeli-lo”, diz o jornalista.

Leahy argumenta que os fluxos de capitais para países emergentes devem continuar após o histórico pacote de incentivo anunciado pelo Japão e a manutenção por mais alguns meses das medidas nos Estados Unidos. Nesse ambiente, diz, “aumenta a concorrência entre os países em desenvolvimento para atrair a atenção dos investidores”.

“É nesse desfile de beleza que o Brasil, com o crescimento de menos de 1% no ano passado e uma deterioração da conta corrente, está parecendo menos atraente para atrair recursos para portfólio e investimento estrangeiro direto quando comparado a países, como o México, que estão envolvidos em reformas políticas e econômicas”, diz a reportagem, que ouviu analistas de instituições financeiras e agências de classificação de risco.

A reportagem reconhece que o Brasil “não enfrenta nenhum tipo de crise”, mas acusa as autoridades brasileiras de serem apenas “mais ou menos comprometidas” com dois pilares do tripé macroeconômico: a meta de inflação e o câmbio flutuante. “O País ainda tem uma das maiores reservas mundiais, com cerca de US$ 377 bilhões, um sistema financeiro sólido e um governo e um Banco Central ainda mais ou menos comprometido com a meta de inflação e em manter uma taxa de câmbio flutuante”, diz.

Nesse desfile de beleza com o Brasil menos atrativo e o México com cada vez mais fãs, o FT reconhece, porém, que o governo brasileiro tem “uma série de cartas na manga” para tentar reavivar o interesse no mercado nacional. Entre eles, a reportagem cita a possibilidade de alteração de alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: