carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil lidera ranking de iPads mais caros; impostos são 54%

Tablet chega ao Brasil pelo dobro do preço praticado nos EUA

Carla Miranda

29 de maio de 2011 | 20h41

ipad2_divulgacao.JPG
Nos EUA, salário médio permite comprar quase 8 iPads; no Brasil, 1 (foto: divulgação)

O que você acharia de trabalhar durante um mês, sem comer, beber, sem pagar aluguel ou qualquer conta e mesmo assim não conseguir juntar dinheiro para comprar o iPad 2? Se viver de luz fosse possível, o brasileiro médio teria a opção de trabalhar um mês e uma semana para adquirir o aparelho. Mas já que comer é preciso, o tablet da Apple deve demorar para se popularizar no Brasil, em comparação com países onde o produto já é vendido.

O salário médio no País, de R$ 1.577, não é suficiente para adquirir a versão mais simples do iPad 2, lançado no Brasil na última sexta-feira, 26, por R$ 1.649. Quem ganha o salário mínimo, então, compra apenas um terço do produto se não gastar nada em um mês.


Veja também:
Nada custa pouco
Acabou o iPad 2

alcides_leite01.jpgOs dados foram levantados pelo professor de economia Alcides Leite (foto), da Trevisan Escola de Negócios, a pedido do do blog Radar Econômico e do caderno “Link“. Leite comparou o preço do iPad 2 em 12 países, assim como os salários mínimos e médios de cada localidade.

No Brasil, o preço do produto lidera esse ranking. Veja na tabela abaixo o valor, em reais, da versão mais simples do iPad 2 em 12 países (sem 3G, com 16GB):

Brasil1.649
França1.111
Espanha/Portugal/Itália/Alemanha1.089
Inglaterra1.050
Austrália998
México975
China922
Japão888
Estados Unidos805

.

Abaixo, o preço da versão mais sofisticada (com 3G e 64GB), também em reais:

Brasil2.599
França1.848
Espanha/Portugal/Itália/Alemanha1.816
Inglaterra1.734
México1.671
Austrália1.636
China1.389
Estados Unidos1.337
Japão1.285

.
O País conta, ainda, com a agravante de que a renda da população é baixa em comparação com a de outras nações em que a Apple já vende a segunda versão de seu tablet. A tabela abaixo mostra os salários mínimo e médio em cinco países, bem como a quantidade de iPads que se pode comprar com esses salários, considerando a versão mais simples do produto (os salários estão convertidos para reais).

Paíss. mín.s. méd.s. mín compra…s. méd compra…
EUA        1.902       6.2232,4 iPads 7,7 iPads 
Reino Unido        2.716       5.4262,6 iPads 5,2 iPads 
França        3.102       4.7002,3 iPads 4,2 iPads
México            251          9550,26 iPad1 iPad
Brasil            540       1.5770,33 iPad1 iPad

.
Os números mostram os Estados Unidos Unidos, maior economia do mundo e terra da Apple, como o país onde o produto é mais acessível. Além de o salário médio ser alto (R$ 6.200 em Estados como Nova York, apesar da crise), o preço do iPad 2 é baixo: R$ 805, metade do valor encontrado no Brasil. Com isso, o americano médio compra quase oito iPads com um mês de trabalho. Em outras palavras, as condições da população dos EUA para comprar o tablet são oito vezes melhores do que a dos brasileiros.

Na Europa, o iPad é mais caro que nos EUA, mas as condições de vida permitem que os consumidores adquiriram o produto com mais tranquilidade do que no Brasil. No Reino Unido, por exemplo, o salário médio compra cinco unidades; na França, quatro. Já em comparação com outro país latino-americano, o México, a situação brasileira está ligeiramente melhor.

Impostos

Os impostos que incidem sobre o iPad são apontados por especialistas como um fator fundamental para explicar o alto preço do produto no País. Ao todo, a carga tributária corresponde a 54,7% do preço do tablet da Apple, segundo o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário). Veja quanto se paga de imposto no iPad 2 no Brasil:

IPI20%
ICMS (SP)18%
Cofins:7,6%
PIS1,65%
Outros7,42%
Total54,67%
  
iPad 2 16GB:R$ 1.649
ImpostosR$ 902
Preço sem impostosR$ 747 

.

Em um cenário extremo, em que não houvesse impostos sobre o iPad 2, o tablet poderia custar R$ 747, desde que a Apple se dispusesse a repassar os benefícios tributários ao consumidor.

Quando surgiram, os tablets não entravam na chamada Lei do Bem, de 2005, que dá incentivos fiscais a inovações tecnológicas e vale apenas para produtos fabricados no Brasil.

Na segunda-feira passada, 23, o governo publicou a Medida Provisória que inclui os tablets na Lei do Bem. Com isso, o PIS e o Cofins (que somavam 9,25%) foram zerados, e o IPI caiu de 20% para 15%. A redução de ICMS depende de cada Estado.

A decisão, no entanto, não vale para o iPad, que é importado. A Foxconn, empresa que monta os tablets da Apple, disse que fabricará o produto no Brasil até o final do ano. Oficialmente, a companhia de Steve Jobs nunca afirmou que produziria no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: