As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasileiro é considerado melhor analista de telecom nos EUA

Luís Fernando Azevedo destacou-se entre os que atuam em Wall Street

Carla Miranda

25 de maio de 2010 | 10h28

O brasileiro Luís Fernando Azevedo, da Bradesco Corretora, foi colocado no topo do ranking do Wall Street Journal de melhores analistas de mercado com atuação nos Estados Unidos, na categoria “telecomunicações”.

No mesmo segmento, em segundo do ranking, aparece outro profissional que trabalha no Brasil, o analista Andrew Campbell, do Credit Suisse.

O jornal norte-americano publicou nesta terça-feira, 25, o ranking “Best on the Street”, que procura classificar anualmente os melhores analistas de mercado que atuam no mercado de ações dos EUA. Mais de 7.500 profissionais de 530 empresas participaram do concurso.

Azevedo foi considerado o melhor, entre os que cobrem a área de telecom, por ter “apostado que o mercado brasileiro de telefonia móvel floresceria” em um ano em que “muitas empresas de telecomunicações foram afetadas por uma situação imprevisível de disponibilidade de crédito e mercados estagnados”, afirma o jornal.

Por exemplo, ele recomendou aos seus clientes a compra das ADRs (papéis negociados nos EUA que representam ações de empresas brasileiras) das operadoras TIM e Vivo e sua manutenção por todo o ano. No período, os papéis sugeridos subiram 142% e 153%, respectivamente. Campbell, do Credit Suisse, também indicou a Vivo, mas de novembro de 2008 a fevereiro de 2009.

O jornal informa que os analistas que as melhores recomendações de analistas no ano passado foram as do início do ano, quando o índice Dow Jones chegou a atingir uma queda de 25% nos 12 meses encerrados em março.

Veja o especial do Wall Street Journal sobre o levantamento (em inglês)

Confira o ranking dos melhores analistas que atuam nos EUA

Leia a análise do jornal sobre os dados da pesquisa (em inglês)

Tire suas dúvidas sobre a metodologia do ranking (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.