As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Carlos Slim tenta impedir que Telefónica compre Vivo, diz jornal

Dono da Claro quer entrar na Portugal Telecom para impedir oferta hostil

Carla Miranda

27 de maio de 2010 | 08h59

Atualizado às 10h58

carlos_slim_reuters_shanoun_daher_17032010.JPG
Slim entra na briga entre Telefónica e Portugal Telecom (foto: Reuters)

O empresário mexicano Carlos Slim, homem mais rico do mundo pelo ranking da revista Forbes, “fará tudo” para impedir que a companhia espanhola Telefónica adquira o controle da operadora de telefonia móvel Vivo, informa o jornal Brasil Econômico.

As ações preferenciais da Vivo (que não dão direito a voto) caíam 1,35% por volta das 10h40; já as ordinárias (que valem voto e normalmente são pouco negociadas) saltavam 8,39% no mesmo horário. Os papéis da Portugal Telecom subiam 7,44%.

‘TUDO TEM PREÇO, MENOS A HONRA’
 Frase de Ricardo Salgado, presidente do Banco Espírito Santo, um dos principais acionistas da Portugal Telecom, em entrevista publicada no Brasil Econômico 

Slim, dono de uma fortuna que soma US$ 53,5 bilhões, é o principal acionista da mexicana Telmex, companhia que controla a brasileira Claro. Segundo o jornal, ele enviou representantes a Lisboa para tentar comprar parte da Portugal Telecom (PT), que detém metade do controle da Vivo.

A Telefónica, dona da outra metade, ofereceu no dia 6 de maio 5,7 bilhões de euros à empresa portuguesa para adquirir o controle da Vivo.  A PT rejeitou. Depois, o diretor financeiro da espanhola, Santiago Fernandez Valbuena, afirmou em entrevista publicada ontem (quarta-feira, 26) no jornal Financial Times que não descarta a hipótese de fazer uma oferta hostil para comprar a própria PT (a Telefónica já é o maior acionista individual da PT, com uma fatia de 10%). 

Na mesma entrevista, a Telefónica expôs também uma segunda estratégia para tentar controlar a Vivo: ameaçou impedir a distribuição dos dividendos da operadora móvel, o que afetaria a Portugal Telecom. Como as duas empresas ibéricas dividem meio a meio o controle da brasileira, os dividendos só podem ser distribuídos se houver consenso. Ao bloqueá-los, a Telefónica pressionará a companhia portuguesa, que depende mais desses recursos, explica o Brasil Econômico.

Slim agora entra na briga. Se comprar parte da PT, pode impedir que a Telefónica adquira o controle da Vivo. Ainda de acordo com o Brasil Econômico, o mexicano já conversou pessoalmente com Ricardo Salgado, presidente do Banco Espírito Santo, instituição financeira portuguesa que detém 7,99% da PT. Em entrevista ao jornal, Salgado deixou clara sua opinião: “Tudo tem um preço, menos a honra”, disse. 

RADAR ECONÔMICO NO TWITTER
Acompanhe: @radar_economia
http://twitter.com/radar_economia

A disputa pela Vivo ocorre num contexto em que as empresas de telecomunicações tentam unir os diversos serviços em um único pacote para o cliente. “O grupo que conseguir entregar ao consumidor final os serviços de telefonia fixa, celular, TV a cabo e banda larga […] vai poder […] deixar os concorrentes para trás”, segundo análise de Thaís Costa, no Brasil Econômico.

Esse é o interesse da Telefónica, que já controla telefonia fixa em São Paulo e busca sinergia com o serviço de telefonia móvel da Vivo. É também o caminho escolhido pela Telmex, que decidiu fundir duas empresas que controla no Brasil, a Claro e a Embratel, segundo a Folha de S.Paulo.

Leia a reportagem no site do Brasil Econômico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.