China descarta injetar mais dinheiro na economia
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

China descarta injetar mais dinheiro na economia

Jornal afirma que mercados deverão ficar desapontados pela falta de estímulo do governo

Gustavo Santos Ferreira

16 de julho de 2013 | 14h05

Por Clarissa Mangueira, da Agência Estado

A China não deverá adotar medidas de estímulo para impulsionar sua economia, mesmo diante de crescimento econômico mais lento – aponta comentário publicado no jornal Economic Information Daily e artigo da agência Xinhua.

“Os mercados têm expectativas irreais sobre o estímulo do governo”, destaca o comentário no jornal.

O governo chinês busca reestruturar sua econômica. Quer reduzir a dependência do investimento estatal e impulsionar o consumo doméstico. Ou seja, deseja obter novo condutor do crescimento, como mostrou na segunda-feira este Radar Econômico. Mas seus planos deverão significar uma expansão menos robusta no curto prazo.

O jornal afirma que os mercados deverão ficar desapontados pela falta de estímulo, apesar do primeiro-ministro, Li Keqiang, ter sugerido que o crescimento abaixo da meta poderia desencadear uma mudança de política.

LEIA +
China deve mudar mix da economia

Consumo decepciona nos EUA

O primeiro-ministro afirmou que o crescimento econômico e o emprego em torno dos níveis atuais são aceitáveis no geral.

A China poderia injetar liquidez na economia, mas isso aumentaria a inflação e criaria bolhas de ativos devido à lenta demanda, afirmou o comentário.

O comentário criticou o programa de estímulo de 4 trilhões de yuans (US$ 645 bilhões) após a crise financeira, afirmando que, embora seus efeitos de estímulo tenha sido sentidos por cerca de um ano, ele teve um impacto negativo. Muitos economistas afirmam que o estímulo, que pode ter sido muito maior do que o valor principal, levou a investimentos em projetos mal concebidos e um desperdício que poderia dominar o sistema bancário com empréstimos ruins.

Afirmou-se que a tolerância maior ao crescimento econômico mais lento poderá forçar os governos locais para acelerar reformas e reduzir a dependência da expansão econômica conduzida por investimento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.