Colunista do ‘FT’ tenta desvendar culto ao presidente Lula
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Colunista do ‘FT’ tenta desvendar culto ao presidente Lula

Rachman tenta elucidar os motivos que, para ele, fizeram do presidente uma figura mítica

Nívea Terumi

27 de setembro de 2010 | 19h53

REPRODUÇÃO

O principal colunista de política internacional do jornal britânico Financial Times, Gideon Rachman, publicou uma coluna nesta segunda-feira na qual elucida os motivos que, para ele, fizeram do presidente Lula uma figura mítica. Para o colunista, as eleições presidenciais do dia 3 de outubro terão como vencedora quase certa Dilma Rousseff, escolhida a dedo por Lula, e serão uma “celebração do passado, tanto quanto uma placa de direção ao futuro”.

Gideon compara a trajetória da vida política de Lula com a de Nelson Mandela, que fizeram de sua história um símbolo da transformação de todo o seu país. “A história pessoal de Lula se assemelha à narrativa do País. Por muitos anos, o Brasil teve algo como um complexo nacional de inferioridade. Mas assim como o garoto pobre se tornou grande, o País está cada vez mais confiante e assertivo.”

Para o colunista, dos Brics, o Brasil é menos assustador que a China, menos autoritário que a Rússia e menos caótico que a Índia. Somado a isso, o carisma da figura do presidente brasileiro, foi, na opinião dele, o que garantiu o sucesso das campanhas para sediar a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Apesar do tom quase sempre otimista do artigo, o jornalista lembra que muito do sucesso da política econômica de Lula foi herdado do governo anterior e, durante a crise internacional, o Brasil teve sorte com a explosão dos preços das commodities. Gideon também afirma que Lula de fato combateu a pobreza no País, mas não deu a mesma atenção ao combate à corrupção.

O colunista do FT diz que, após oito anos no poder, a história do Brasil conduzindo um papel fundamental na ordem mundial deixou de ser uma hipérbole e se parece muito mais com um fato.

Leia o artigo na íntegra aqui (em inglês, acesso restrito a assinantes).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.