As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conta de luz no Brasil é mais cara que em países ricos

Levantamento mostra que no País o custo é o dobro em relação aos EUA

Carla Miranda

27 de abril de 2011 | 06h00

lampada_light_shadow_divulgacao02.JPG
Lâmpada criada pelo designer sueco Ingegerd Råman (foto:divulgação)

alcides_leite01.jpgA energia elétrica fornecida para residências no Brasil é mais cara do que em diversos países ricos, como Estados Unidos, França, Suíça, Reino Unido, Japão e Itália, segundo um levantamento feito pelo professor de economia Alcides Leite* (foto), especialmente para o Radar Econômico. Porém, ainda é mais barata que na Alemanha e na Áustria.

Enquanto no Brasil o quiilowatt-hora (kWh) custa US$ 0,254, nos EUA o preço é de US$ 0,133. Tomando como exemplo uma família que consome mensalmente 300 kWh, o gasto anual com a conta de luz fica em US$ 914,40 no Brasil e US$ 478,80 nos EUA. Na Alemanha, onde a energia é a mais cara entre os 17 países analisados, o custo anual seria de mais de US$ 1.000.

Compare os preços médios da energia elétrica residencial, sempre em dólares, por kilowatt-hora, incluindo tributos, e também o gasto anual de uma casa hipotética onde se consomem 300 kWh todo mês:

PaísPreço em kWhGasto anual de uma família que consome 300 kWh por mês
Alemanha           0,3081.108,80
Áustria                0,255918
Brasil                  0,254914,4
Itália                    0,252907,2
Japão                   0,246885,6
Irlanda                0,236849,6
Holanda              0,216777,6
Portugal              0,201723,6
Inglaterra            0,200720
Turquia               0,183658,8
Suíça                   0,182655,2
Polônia                0,182655,2
Noruega              0,155558
Grécia                 0,150540
França                 0,148532,8
Estados Unidos   0,133478,8
México                0,082295,2

Fontes: Brasil = Aneel. Demais países = Agência Internacional de Energia. OBS: preços de dezembro de 2010.

O economista Paulo Rabello de Castro** analisa a pesquisa no artigo abaixo:

Carga tributária incidente sobre energia elétrica é uma das maiores do mundo

No Brasil, o preço médio da energia elétrica residencial gira em torno de US$ 0,25 / kWh. É um dos mais elevados do mundo. Isto porque, a carga tributária (tributos e encargos) incidente sobre o setor elétrico nacional representa 45% do valor da tarifa paga pelo consumidor residencial. Segundo a OCDE, trata-se da quinta maior carga tributária, atrás apenas da vigente em países do Norte da Europa.

Quando se compara o preço do serviço entre diversos países, observa-se que em apenas dois, a tarifa é mais alta que a brasileira: Áustria e Alemanha.

A tarifa brasileira é superior a da francesa, onde a matriz energética é muito cara, por ser de natureza essencialmente nuclear. No Brasil, paga-se quase 70% a mais do que na França. Em relação aos EUA, a diferença é ainda maior. O preço da energia elétrica brasileira é o dobro da norte-americana, o maior consumidor per capita desse serviço no mundo.

Desta forma, são penalizadas principalmente as classes de menor renda, cujo dispêndio com serviços essenciais e alimentação representa parcela majoritária de seus gastos correntes.

A indústria, no entanto, é setor da economia mais prejudicado pelo alto custo energético. Segmentos eletrointensivos, como os de alumínio, papel e celulose, petroquímicos e siderúrgicos, vêem parte de sua competitividade ser comprometida. Alguns não exportam o volume que desejariam, ao mesmo tempo em que enfrentam crescente concorrência com produtos importados.

Outro problema é que a elevada participação da energia elétrica no custo total de produção, tanto nesses, como em outros setores, afugenta novos investimentos. Nesse ambiente, não se pode desprezar o risco de que muitas empresas sejam estimuladas a instalar suas plantas em outros países, onde a tarifa de energia elétrica seja mais barata que a nossa.”

—–

*Alcides Leite, que fez o levantamento de preços de energia elétrica, é professor de economia na Trevisan Escola de Negócios e inspetor-analista concursado do Banco Central. Autor de “Brasil: A trajetória de um país forte”.

**Paulo Rabello de Castro, autor do comentário acima, é coordenador do Movimento Brasil Eficiente (MBE), que reúne mais de 80 entidades empresariais em defesa da simplificação fiscal e maior eficiência nos gastos públicos. Recentemente, lançou campanha pela subscrição de abaixo-assinado, no site www.brasileficiente.org.br, que pretende recolher 1 milhão de assinaturas para transformar em projeto de lei suas propostas.

Quanto custa

Toda quarta-feira o Radar Econômico traz a seção “Quanto custa”, em que Alcides Leite compara preços de diversos produtos no Brasil e no exterior. Se você tem uma sugestão de alguma mercadoria cujo valor você gostaria de ver comparado internacionalmente, ou se você viu em outros países preços muito diferentes do verificado no Brasil, participe do blog deixando um comentário abaixo.

OBSERVAÇÃO: O portal do Estadão não aceita comentários em que predominam letras maiúsculas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.