As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corte no Orçamento equivale a 3,7% da receita da União

Se considerado apenas o dinheiro do Poder Executivo, a redução foi de 6,2%

Carla Miranda

15 de fevereiro de 2012 | 16h19

Atualizado às 17h29

numero_do_dia_138_80.JPGNúmero do dia: 3,7%

É quanto o corte de R$ 55 bi representa na receita prevista até então

 

O governo anunciou um corte de R$ 55 bilhões no Orçamento, com o objetivo de aumentar investimentos e programas sociais.

Esse valor pode parecer muito ou pouco, dependendo da comparação que se faz. O volume corresponde, por exemplo, a apenas 3,7% das receitas da União. Mas já é um terço da meta de superávit primário (dinheiro que o governo junta para pagar dívida) deste ano, de R$ 140 bilhões.

A receita prevista pelo governo na Lei do Orçamento, em janeiro, era de R$ 1,5 trilhão, sem contar o que entrará nos cofres públicos por meio de emissão de títulos, ou seja, por meio de endividamento.

Se tiramos dessa receita de R$ 1, trilhão as transferências a Estados e municípios (R$ 202 bilhões) e a receita dos poderes Legislativo e Judiciário e de órgãos fora do controle do executivo (R$ 614 bilhões no total), percebemos que sobravam R$ 881 bilhões para o governo federal manusear, segundo a lei orçamentária de janeiro. O corte anunciado nesta quarta representa 6,2% disso.

Desses R$ 55 bilhões cortados, R$ 35 bilhões são em despesas discricionárias (aquelas que o governo consegue manejar livremente) e R$ 20 bilhões em obrigatórias (aquelas que já estão comprometidas e são mais difíceis de cortar).

A tabela abaixo, sobre as despesas discricionárias, mostra os ministérios que tiveram maior corte em termos absolutos e qual o novo orçamento dessas pastas (em bilhões de reais).

MinistérioTamanho do corteComo ficou
Saúde5,586,3
Educação1,972,3
Cidades3,318,7
Defesa3,361,2
Justiça2,210,2
Integração2,25,5

.

O corte na Saúde foi, portanto, o maior entre os ministérios, em termos absolutos. Mas como esta pasta é uma das que têm maior Orçamento, em termos proporcionais a redução acabou ficando em 6% – portanto, dentro da média de cortes federais.

Em relação às despesas obrigatórias, as maiores reduções em termos absolutos ocorreram em benefícios previdenciários (R$ 7,7 bilhões) e subsídios (R$ 5,16 bilhões).

Aperto maior

O economista Vítor Wilher, do Instituto Milenium, analisou o contingenciamento orçamentário da seguinte maneira:

“O corte já era esperado porque o governo está trabalhando com o superavit primário cheio, incluindo os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento. Então, é necessário um aperto maior do que o do ano passado. Além disso, o Banco Central trabalha com um cenário futuro de corte nos juros. Portanto, ou o governo fazia essa redução nos gastos, ou o BC não poderia reduzir a Selic. Existem dúvidas no mercado se, para atingir a meta do superavit neste ano, o governo vai apertar o cinto ou vai contar com uma arrecadação extra de impostos, que viria, sobretudo, de dividendos de estatais e de concessões, como as de aeroportos.”

Veja outros textos da seção Número do Dia