As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dicas do ‘Wall Street Journal’ para economizar em 2010

Carla Miranda

28 de dezembro de 2009 | 13h33

A coluna eletrônica “Smart Money” do diário nova-iorquino The Wall Street Journal traz nesta segunda-feira dez dicas para economizar dinheiro em 2010. As sugestões foram pensadas para os moradores dos Estados Unidos, mas pelo menos seis delas podem ser aplicadas no Brasil.

Escolha um bom cartão de crédito – Para evitar gastos excessivos em taxas, compare as diferentes condições oferecidas pelos administradores de cartão. No Brasil, o site Corta Contas facilita essa comparação.

Siga o seu dinheiro – Em média, consumidores norte-americanos não sabem o destino de US$ 21 gastos diariamente, segundo uma pesquisa da Visa, o que significa um desperdício de US$ 1.092 por ano. No Brasil, alguns bancos oferecem planilhas eletrônicas que ajudam os correntistas a controlarem seus gastos.

Participe de programas de fidelidade – Os comerciantes costumam oferecer benefícios para fidelizar os clientes, incluindo livrarias, cinemas, restaurantes e outros. A sugestão do Journal é aderir.

Pague à vista – A ideia de comprar agora e pagar depois leva consumidores a gastar mais. O pagamento à vista, além de ajudar a evitar compras desnecessárias, pode levar a descontos em vários tipos de despesas, de saúde à gasolina, diz o WSJ.

Reavalie seu plano de telefonia – No Brasil, o site Comparatel ajuda a comparar o preço de tarifas de telefone fixo em ligações interurbanas e internacionais.

Pechinche – “Se o produto é caro, é louco quem não pechincha”, disse ao WSJ o professor Scott Testa, do Calibri College. Muitas vezes, basta perguntar se existe uma chance de pagar menos no produto e o vendedor cede, segundo o jornal. Por exemplo, uma pesquisa mostrou que 68% dos proprietários de imóveis baixariam o aluguel para reter o inquilino (vale lembrar que o levantamento foi feito nos EUA, onde o setor imobiliário não tem andado bem).

Leia o texto do WSJ na íntegra (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.