As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estado brasileiro ficaria com 2,5% do Carrefour na França

Para jornal francês, o governo 'incita o Carrefour' a criar um líder nacional

Carla Miranda

29 de junho de 2011 | 10h18

O jornal francês “Les Echos”, especializado em economia e negócios, publicou uma reportagem nesta quarta-feira, 29, que vê o Estado brasileiro como protagonista nas negociações entre Pão de Açúcar, Carrefour e Casino.


LEIA TAMBÉM:
José Paulo Kupfer analisa quem ganha e quem perde 
Proposta de fusão reduz participação de Casino

Com o título “O Estado brasileiro incita o Carrefour a criar um campeão nacional”, o joirnal explica a proposta feita à rede de supermercados francesa de fundir seus ativos no Brasil com o Pão de Açúcar.

O jornal diz que Abilio Diniz, presidente do conselhor do Grupo Pão de Açúcar, provocou “cólera” no seu sócio, o grupo francês Casino, ao propor uma fusão com o Carrefour.

A proposta consiste na criação de uma empresa que seria controlada metade pela Gama, um fundo de investimento administrado pelo BTG Pactual, e metade pelo Carrefour da França. A Gama, por sua vez, seria controlada pelos atuais acionistas do Pão de Açúcar (incluindo família Diniz e Casino) e também pelo BNDES e pelo BTG Pactual. A mesma Gama teria uma participação entre 11,7% e 17,7% no Carrefour da França, sendo a maior acionista dessa empresa.

O “Echos” fez as contas e viu que, em última análise, o Estado brasileiro passaria a ser dono de 2,5% do Carrefour na França. Abilio Diniz ficaria com 2,3% da rede francesa.

Leia a reportagem no site do jornal “Les Echos” (em francês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.