As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estados dos EUA já dão sinais parecidos com crise grega

Unidades federativas têm dívidas 'grandes demais para serem camufladas'

Carla Miranda

30 de março de 2010 | 09h58

O jornal The New York Times fez um levantamento da situação fiscal de Estados norte-americanos problemáticos e concluiu que alguns deles “mostram os mesmo sinais de sobrecarga de dívida que recentemente levaram a Grécia à beira do precipício”.

No caso da Grécia, a dívida hoje equivale a cerca de 80% do Produto Interno Bruto, enquanto o déficit nas contas públicas (diferença negativa entre arrecadação e gastos do Estado) está em cerca de 12% do PIB. (No Brasil, esses dados são de 3,2% e 44%, respectivamente).  

No caso dos EUA, o Alaska tem uma dívida que equivale a cerca de 70% do seu PIB, se considerados não apenas os títulos que o Estado têm a pagar, mas também suas obrigações de pensões não consolidadas. A reportagem chama atenção para o fato de que os dados divulgados pelos Estados não incluem responsabilidades adicionais relacionadas ao pagamento de pensões, o que disfarça o tamanho real da dívida, na opinião do jornal .

Para o NYT, as dívidas dos Estados norte-americanos estão “grandes demais para serem camufladas” com “contabilidades que mascaram os déficits [e] uso de derivativos para tapar buracos”.  

Como consequência, há casos de dificuldades para se financiar (como ocorre com a Grécia, ainda que em proporção diferente). O Colorado, por exemplo, tentou captar US$ 500 milhões para cobrir gastos do seu sistema universitário e não conseguiu – levou menos da metade (US$ 200 milhões). O Havaí inaugurou uma semana estudantil de apenas quatro dias.

A Califórnia buscou outro meio de pagar as contas: antecipou a cobrança de taxas, fazendo as empresas pagarem 70% das suas obrigações com o fisco até 15 de junho.

Leia a reportagem no site do New York Times (em inglês)

Veja gráfico com as dívidas do Estados norte-americanos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.