As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA abrirão investigação sobre Corolla, da Toyota

Autoridades do país examinarão possíveis defeitos no volante dos carros

Carla Miranda

18 de fevereiro de 2010 | 09h15

Atualizado às 10h10

toyota_corolla_reuters_robert_galbraith_17022010__.jpg
Corolla 2010, que teria problema na direção (foto: Robert Galbraith/Reuters)

Os Estados Unidos abrirão nova investigação sobre a Toyota, agora focada em possíveis problemas no volante dos veículos Corolla, informa o jornal Financial Times.

A investigação, a quinta sobre a companhia pelo governo norte-americano, está prevista para ser anunciada oficialmente nesta quinta-feira, de acordo com o diário. 

OS MODELOS AFETADOS
 O Wall Street Journal tem um infográfico mostrando os veículos da Toyota que passam por recall. Veja

A decisão oficial de examinar os veículos Corolla surge um mês depois de esse modelo se tornar o mais vendido da Toyota nos EUA, lembra o FT. Até dezembro do ano passado, o primeiro da lista era o Camry, que perdeu o posto depois que a montadora japonesa foi forçada a parar de vender o carro, devido a problemas no acelerador.

O diário norte-americano The Wall Street Journal acrescenta que o órgão regulador responsável (National Highway Traffic Safety Administration) recebeu 163 reclamações sobre a direção em Corollas. O jornal chama atenção para o fato de que a investigação tem o objetivo de examinar se o problema realmente existe, e lembra que o órgão abre em média cem processos desse tipo por ano.

Atualmente, a Toyota faz recall de 8,5 milhões de veículos no mundo, com defeitos no acelerador, tapetes e sistemas de travas.

Governadores defendem Toyota

Enquanto o órgão regulador abre investigações, alguns políticos dos EUA estão se posicionando favoravelmente à Toyota, com receio das perdas de empregos que a crise da empresa pode causar, segundo outra reportagem do WSJ. O jornal apresenta um gráfico mostrando que a montadora japonesa tem mais de 30 mil funcionários em oito Estados norte-americanos.

Entre esses políticos estão os governadores de Indiana, Mississippi, Kentucky, Alabama e Texas, todos do Partido Republicano. Os quatro primeiros escreveram uma carta ao Comitê de Comércio e Energia descrevendo a Toyota como vítima de uma imprensa excessivamente agressiva e dizendo que os problemas da japonesa são tratados de forma mais “enfática” do que das outras montadoras sob supervisão do Departamento de Transporte. O motivo da discriminação seria o “óbvio conflito de interesse”, segundo os governadores, uma vez que o governo federal dos EUA tem “imensas participações financeiras” nas concorrentes General Motors e Chrysler.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.