As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

EUA retomam ideia do tempo de Bell e Thomas Edison

Google dará US$ 30 milhões para quem construir veículo para explorar a Lua

Carla Miranda

27 de setembro de 2010 | 12h27

Atualizado às 17h49

edison2_divulgacao02.jpg
Foto: Divulgação

li_ionmotorscorpgroupphoto_530_divulgacao.jpg
Foto: Divulgação

2010_06_24e_tracer79_x_prize_stefano_paris_peraves.jpg
Foto: Stefano Paris/Divulgação

Veículos Edison 2, Li-ion Motors e X Tracer, premiados com US$ 10 milhões no total

Uma reportagem especial do “Wall Street Journal” mostra que os Estados Unidos estão tentando retomar uma prática que consagrou inventores como Alexander Graham Bell e Thomas Edison: a distribuição de prêmios às pessoas que realizem inovações relevantes.

—-
Acompanhe o Radar Econômico no Twitter
Siga também Economia & Negócios
—-

No final do século 19 e início do 20, a AT&T, fundada por Bell, e a General Electric, por Edison, fundaram os dois primeiros laboratórios de pesquisas e desenvolvimento. Agora o Google, uma empresa de 12 anos de idade, aparece como um dos protagonistas do estímulo à inovação. A companhia dará US$ 30 milhões à primeira equipe privada que conseguir lançar à Lua um veículo com controle remoto que seja capaz de explorar a superfície do satélite natural.

Também há instituições não governamentais sem fins lucrativos que premiando inovações. No começo deste mês, conta o “Journal”, três equipes dividiram US$ 10 milhões por inventarem o primeiro carro com eficiência de 100 milhas por galão ou equivalente.

O prêmio foi concedido pela X Prize Foundation, uma entidade que já tem 15 anos e premia projetos de inovação. Essa mesma instituição agora vai pagar outros US$ 10 milhões para quem encontrar uma forma de fazer sequenciamento genético com rapidez e baixo custo.

A prática de incentivar grandes inovações na sociedade moderna, segundo a reportagem, começou em 1714, quando o Parlamento britânico aprovou o Longitude Act, que premiava as pessoas que conseguissem superar determinadas dificuldades que havia, na época, para medir a longitude no mar.

O “Journal” nota que esse tipo de premiação aparece e reaparece em momentos de dificuldade econômica.

Leia a reportagem no site do “Wall Street Journal” (em inglês)

ERRATA: Foi a General Electric que estimulou invenções de Edison, e não a General Motors, como afirmava este texto incorretamente. Bell e Edison foram incentivadores de pesquisa e desenvolvimento de AT&T e GE, e não o contrário. Os erros foram corrigidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.