As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Europa reage à Alemanha e defende regulação conjunta

Comissário europeu pede que países evitem ações fragmentadas nos mercados

Carla Miranda

19 de maio de 2010 | 11h20

michel_barnier_reuters_francois_lenoir_17052010.jpg
Bernier, comissário europeu para a regulação dos mercados (foto: Francois Lenoir/Reuters)

A Comissão Europeia reagiu à decisão unilateral da Alemanha de proibir vendas a descoberto (em que o investidor vende títulos que não tem ou que são emprestados), medida que gerou forte queda nas bolsas de valores da Europa e contribuiu para que o euro atingisse o menor patamar em quatro anos, informa o Wall Street Journal.

Sem consultar os demais membros da zona do euro, a Alemanha decidiu na noite de ontem (terça-feira, 18) impedir, até março do ano que vem, as vendas a descoberto de títulos da eurozona, CDS (sigla para “credit default swap”, papéis que permitem a aplicadores trocarem a exposição a determinados investimentos) e ações de dez grandes bancos do país. O objetivo é restringir a especulação no mercado financeiro, evitando bolhas.

“Essas medidas seriam mais eficientes se fossem coordenadas em toda a Europa. É importante que os estados-membros ajam juntos e que desenhemos um regime europeu que evite arbitragem regulatória e fragmentação tanto na União Europeia quanto no mundo”, disse o comissário europeu para a regulação dos mercados, Michel Barnier.

A França está liderando um movimento contra a decisão da Alemanha de tomar unilateralmente uma medida que afeta os demais países da zona do euro.

Leia reportagem no site do Wall Street Journal (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.