As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Expansão do PIB no Brasil mascara vulnerabilidade, diz jornal

Para jornalista, o Brasil repete mesmos erros verificados nos anos 1960

Carla Miranda

28 de abril de 2011 | 17h08

O jornal britânico “Financial Times” publicou em seu site um artigo segundo o qual a forte expansão da economia brasileira “mascara vulnerabilidades crescentes”.

“Em meados dos anos 1960, o Brasil estava no meio de um ‘milagre’ conduzido pelo Estado e com investimentos financiados por meio do endividamento. A fantasia de crescimento rápido ruiu durante a crise da dívida latino-americana nos anos 1980”, afirma o texto, de John Paul Rathbone, o editor do “Financial Times” para a América Latina.

Veja alguns argumentos usados pelo autor:

– O mesmo modelo dos anos 1960 e 1970, que combina investimento liderado pelo Estado e dívida alta, é “parcialmente responsável” pela atual “prosperidade” do País, diz Rathbone.

– O “boom” do mercado de commodities é um dos responsáveis pelo bom momento do Brasil atual. Se os preços das matérias-primas estivessem no mesmo patamar de 2005, diz o autor, a balança comercial brasileira não teria um superávit de US$ 23 bilhões, mas um déficit de US$ 20 bilhões.

– “O real é a moeda mais sobrevalorizada entre as principais do mundo”, o que leva a indústria a pedir ao governo “o mesmo tipo de tarifas de proteção que caracterizaram o fadado modelo econômico de tempos anteriores”.

Para que o País aproveite o bom momento, Rathbone acredita ser necessário dar eficiência ao Estado, poupar parte do dinheiro obtido com as commodities e destiná-lo a programas sociais “quando tempos mais apertados chegarem”, melhorar a educação e a infraestrutura e manter a estabilidade macroeconômica. “É uma tarefa difícil”, afirma Rathbone. Ele está no Rio de Janeiro por ocasião de um encontro do Fórum Econômico Mundial na América Latina.

Leia o artigo no site do “Financial Times” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.