As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘FT’ vê chance única de Brasil atacar gargalos de infraestrutura

Jornal avalia que oportunidade acontece só uma vez em toda uma geração

Carla Miranda

28 de agosto de 2012 | 19h28

Um conjunto de fatores que se encontram neste momento dá ao Brasil uma chance única em toda uma geração de resolver parte dos problemas de infraestrutura, avalia o jornal Financial Times, que publicou extensa reportagem sobre o assunto.

“Juntos, os eventos (a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016) representam uma oportunidade que é única em uma geração para a maior economia da América Latina mostrar que pode executar grandes projetos, uma vez que o governo quer tocar um ambicioso plano para investir R$ 955 bilhões em novas rodovias, portos, aeroportos e usinas, com a participação de investidores estrangeiros.”

Além dos jogos esportivos, a taxa básica de juros em um nível historicamente baixo pode levar o capital internacional a investir menos na dívida pública e mais na infraestrutura.

“Ainda é cedo para dizer se os investidores estrangeiros terão interesse em assumir o risco de longo prazo de investir em títulos de infraestrutura em moeda local”, afirma o FT. “Se (o Banco Central) conseguir manter as taxas (de juros) em um nível baixo, investidores vão começar a olhar para investimentos de longo prazo em busca de retornos maiores”.

O jornal engrossa o coro dos que apoiam a decisão do governo de permitir que o setor privado invista R$ 166 bilhões em rodovias e ferrovias, bem como os planos, ainda não anunciados, de fazer o mesmo com portos e aeroportos. Mas alerta que, a partir de agora, a questão é se esses projetos serão executados integralmente. O diário lembra que, na primeira edição do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), “apenas um pouco mais do que a metade dos investimentos previstos para logística e serviços de utilidade pública foi concluído”.

O fato de o Brasil ter essa chance não significa que o País esteja próximo de se igualar, em termos de infraestrutura, às nações ricas ou mesmo a outras emergentes. Atualmente, apenas 6% das estradas no Brasil são pavimentadas, segundo dados do Goldman Sachs citados no FT. No México, essa proporção é de mais de 30%; na China, supera 50%; nos EUA, 60%, e na Rússia, 80%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.