As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Fundo estrangeiro diz que corte na conta de luz é ‘nacionalização’

No entanto, até isso acontecer a companhia terá redução de ganhos, disse o executivo

Carla Miranda

27 de novembro de 2012 | 07h00

O fundo norueguês Skagen Global, que detém 17% da Eletrobrás, considera que a decisão da presidente Dilma Rousseff de propor às elétricas baixar as tarifas agora ou correr o risco de não renovar a concessão é “mais ou menos a mesma coisa” que tem sido feita na Venezuela e na Argentina”, onde o governo rompe contratos com o setor privado, relata o Financial Times.

“Nós vemos isso como uma nacionalização da propriedade, então, na verdade, é mais ou menos o mesmo que temos visto na Venezuela ou na Argentina”, afirmou Kristian Falnes, responsável pelo fundo. O governo, no entanto, nega a comparação, afirmando que a proposta feita às empresas não envolve quebra de contrato.

Em outra reportagem no mesmo jornal, o presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho Neto, disse que o corte nas tarifas de energia vai reduzir a receita da empresa por até quatro anos, mas acrescentou que depois disso os ganhos devem voltar ao nível atual.

“Eu acredito que os lucros ficarão mais baixos por três ou quatro anos, mas depois eles vão voltar para o ritmo que vemos hoje”, afirmou.

O Financial Times, informou, ainda, que o fundo norueguês Skagen Global, que detém 17% das ações preferenciais da Eletrobrás, cogita entrar na Justiça contra a decisão do governo.

No “Dia da Independência”, lembra o jornal, a presidente Dilma anunciou que a conta de luz teria uma redução de até 16% para as residências e até 28% para as indústrias.

Para chegar a essa redução, o governo baixou em 11% os tributos sobre a energia vendida para a indústria e em 5% aqueles que incidem sobre o uso residencial, o que significa abrir mão de R$ 3,3 bilhões em arrecadação.

No entanto, conforme aponta um estudo da Firjan, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro, mesmo se o governo cortasse 100% dos tributos, a conta de luz brasileira continuaria mais cara do que a de países como Estados Unidos, China e Argentina. Com isso, o estudo concluiu que é necessário mexer também nas tarifas que as empresas cobram. A indústria argumenta que a maior parte das elétricas já recuperou os investimentos feitos e não precisa continuar cobrando o preço atual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.