Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

GM apela à MTV após desinteresse de jovens por carros

Montadora até mandou grafitar sua sede, mostrando que quer mudar

Carla Miranda

23 de março de 2012 | 12h35

Atualizado às 16h26*

chevrolet_camaro_1975_ae_andre_lessa.JPG

Estaria a indústria automobilística em crise de identidade? Uma reportagem do “New York Times” conta que a visão de mundo da nova geração de americanos está levando a General Motors, que no ano passado recuperou o posto de maior fabricante de automóveis do planeta, a mudar estratégias e, mais do que isso, alterar em alguns aspectos sua própria cultura.

O diário relata que a GM recorreu à MTV Scratch, divisão responsável por ajudar as empresas a entender os jovens, para tentar “resolver um dos problemas mais vexatórios da indústria automobilística: muitos jovens consumidores hoje não ligam para carros”.

Segundo o “Times”, a MTV Scratch desenvolveu uma visão estratégica para ser adotada pelos próximos cinco anos pela Chevrolet, marca da General Motors mais vendida nos EUA.

A reportagem conta que o projeto não é uma simples estratégia de marketing, e sim uma redefinição da cultura corporativa da companhia.

O próprio vice-presidente da MTV Scratch não poupa gozações à GM. Ele chama a sede da empresa em Detroit de “Death Star”, em referência à base do vilão Darth Vader, do Star Wars. “Eu sei que nós não combinamos com isso”, disse o executivo da MTV Scratch.

A MTV Scratch vai tentar mexer até na sede da GM. Já começou grafitando a entrada do edifício, segundo o “Times” ao estilo de um coffee shop de Seattle. Além disso, o estilo dos carros e a estrutura das concessionárias também terão o dedo da MTV.

A GM já planeja, por exemplo, lançar no próximo verão veículos em novas cores como “techno pink” ou “lemonade”, com o objetivo de conquistar “jovens de 23 anos que compram roupas na H&M e ouvem Wale em um fone Beats”, disse ao jornal uma representante da fabricante.

Desinteresse

Algumas pesquisas nos EUA confirmam a perda de interesse dos jovens por carros. Em 1998, 64% dos potenciais motoristas com até 19 anos tinham carteira de habilitação. Em 2008, essa proporção caiu para 46%. Os números são da Federal Highway Administration.

A mesma entidade constatou que pessoas entre 21 e 30 anos em 2009 dirigiam 12% menos do que  em 1995, em termos de quilômetros rodados.

Outra pesquisa, citada pelo jornal, traz um resultado ainda mais curioso. A 3.000 pessoas nascidas entre 1981 e 2000, foi pedido que apontassem a marca preferida. Nenhum marca de carro foi escolhida. Ao contrário, elas ficaram “bem abaixo” de nomes como Google e Nike, segundo o “Times”.

Para o jornal, foi-se o tempo em que os jovens “estacionavam orgulhosamente seus Impalas em um cinema drive-in ou os cobiçados Camaros de cor vermelho-cereja”.

Para o “New York Times”, a preocupação com o meio ambiente e o alto preço da gasolina estão entre os principais fatores a desestimular o uso de carros entre os jovens.

* Correção: Este post exibia uma foto de um Chevrolet Corvette incorretamente identificado como Camaro. Às 16h27 a imagem foi substituída pela de um Chevrolet Camaro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: