As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Google faz maior violação de privacidade da história, diz Austrália

Empresa coletou dados em ruas de 30 países; ONG vê censura

Carla Miranda

25 de maio de 2010 | 11h10

Atualizado às 11h46

google_street_view_sao_paulo_sp_divulgacao_24052010.jpg
Imagens da Av. Paulista, em São Paulo, captadas pelo Google (foto: divulgação)

O governo da Austrália, que já vinha aparecendo como um dos mais críticos ao Google, entre os países democráticos, elevou o tom dos ataques, como relata o site da ABC (Australian Broadcasting Corporation, a rede pública de televisão do país).

Em sessão no Senado, o ministro das Comunicações do país, Stephen Conroy, disse que o Google é protagonista do “provavelmente maior caso isolado de violação de privacidade da história” e que o presidente da empresa, Eric Schmidt, é “um tanto assustador”, informa  o ABC.

Conroy se refere à coleta de dados do projeto Street View, em que a empresa captou imagens nas ruas de 30 países nos últimos três anos. Na Europa, a empresa está sendo investigada. No Brasil, a companhia já terminou a tarefa de fotografar a cidade de São Paulo.

O jornal britânico Financial Times destacou em seu site parte do discurso de Conroy: “Eles [os executivos do Google] se consideram acima do governo. Eles se consideram as pessoas apropriadas para tomar decisões sobre dados privativos das pessoas e que eles estão perfeitamente autorizados para percorrer as ruas e coletar informações privadas fotografando por cima das cercas e fotografando e coletando informações”, disse o ministro.

Conroy defende filtros para a internet na Austrália. Segundo o FT, a organização não-governamental Electronic Frontiers Australia considera que “a Austrália quase indubitavelmente tem o mais restritivo regime de censura da internet no mundo ocidental”.

Google: simpático ou assustador?

Ontem (segunda-feira, 24), o jornal francês Le Monde perguntou a Larry Page, um dos fundadores do Google, se ele tinha consciência de que o Google estava perdendo sua imagem de simpatia e passando a ser percebido mais como uma ameaça. Page respondeu que está “muito consciente” e que a empresa tem um papel “cada vez mais importante na vida das pessoas”, sendo “normal” que isso suscite dúvidas. “Mas se nós continuarmos a fazer o nosso melhor, superaremos essas dificuldades”.

Na mesma entrevista, Page admite que a empresa errou ao “coletar dados que não queria coletar”.

Leia a reportagem no site ABC (em inglês, áudio disponível)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.