As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Grupo global investe no etanol brasileiro para cobrir perda na matriz

Presidente da companhia francesa Tereos cogita comprar empresas no País

Carla Miranda

19 de abril de 2011 | 13h08

Atualizado às 14h42

O grupo francês Tereos, um ator global nos mercados de açúcar e álcool, planeja investir mais no mercado brasileiro, inclusive por meio da aquisição de empresas, segundo o presidente da companhia, Philippe Duval.

Em entrevista ao jornal “Le Monde”, ele afirmou com todas as letras: “Nós vamos continuar com as aquisições e investimentos industrial no Brasil”.

“O desenvolvimento da produção de álcool e etanol nos permite compensar integralmente a queda da nossa produção de açúcar na França”, disse Duval, que é herdeiro dos fundadores do grupo Tereos.

A entrevista foi indicada ao Radar Econômico pelo urbanista Iuli Nascimento, coordenador de pesquisa no Institut d’Amenagément et d’Urbanisme Ile de France, em Paris. Ele colabora com este blog indicando notícias de jornais europeus sobre economia.

“A cultura de beterraba na Europa não permite uma produção rentável de biocombustível, e o Brasil dispõe de espaço e de tecnologia adaptada para produzir um etanol de alto teor energético, além da capacidade de produção do açúcar, para fins alimentar. Mas a produção do biocombustivel pode ter consequências graves para determinados territórios e não é uma solução totalmente viável como método de atenuação e adaptação à mudança climática”, afirma Nascimento a respeito da entrevista.

Leia a entrevista no site do jornal “Le Monde” (em francês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.