As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Indústria perde espaço e Serviços já são quase 70% do PIB

Incremento de renda e aumento do consumo ajudam a explicar fenômeno

Gustavo Santos Ferreira

27 de fevereiro de 2014 | 18h05

Desde 2003, a Indústria perdeu considerável terreno entre as atividades econômicas responsáveis pela produção de bens e serviços (PIB) no Brasil. De 27,8% do PIB, naquele ano, a participação do setor caiu para 24,9% do PIB, em 2013 (menos 2,9 pontos porcentuais) – mostram as Contas Nacionais divulgadas nesta quinta-feira pelo IBGE.

Importante destacar o caso da Indústria de Transformação. O subitem equivale à metade de toda a Indústria nacional. Sua queda na formação do PIB foi de nada menos que 5,0 pontos entre 2003 e 2013, dos 18% para os 13%.

E, embora a Agropecuária tenha sido responsável por parte significativa do crescimento econômico do Brasil no ano passado; e mesmo que seja festejada com razão pelo governo por seus sucessivos recordes; ela perdeu espaço no PIB nacional entre 2003 e 2013: recuou de 7,4% para 5,7% da atividade econômica.

Enquanto isso, no mesmo período, a faixa ocupada pelos Serviços subiu 4,6 pontos porcentuais, de 64,8% do PIB para 69,4% do PIB. Mostra a força do consumo obtido pelo incremento de renda observado no Brasil nestes anos.

De um lado, o PIB per capita do Brasil avançou 51% desde 2003 até o ano passado – este presente texto considera os dados do Fundo Monetário Nacional, ligeiramente diferentes dos do IBGE. De outro, embora a maior parte da renda ainda esteja muito concentrada entre poucos brasileiros, já está bem menos do que era.

Os 38% da população de classe média, em 2003, já são 54%. E a considerada classe alta subiu de 13% para 22% dos consumidores entre os mesmo anos. Para 2023, a previsão é de ainda maior poder de compra: a classe média deve ser de 58% dos brasileiros; a alta, de 33%.

Está justamente aí está a principal justificativa do avanço dos Serviços: não só de geladeira, tevê de LCD, carro do ano se vive. A classe média também consome seguros de toda a espécie, frequenta salões de beleza e viaja. E, como não tem acesso a serviços de saúde e educação de qualidade, paga cada vez mais por eles.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.