Inglaterra troca de moeda: sai o papel, entra o plástico

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Inglaterra troca de moeda: sai o papel, entra o plástico

Testes com polímero tentam romper com o conservadorismo britânico

Gustavo Santos Ferreira

10 de setembro de 2013 | 16h39

Corrigido às 19 horas e 34 minutos

A primeira mudança de impacto definida pelo canadense Mark Carney – empossado presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na silga em inglês) em julho – para a economia britânica será trocar de moeda definitivamente em 2016.

Não, o Reino Unido não abandonará as libras esterlinas para entrar na área do euro. Mas, em vez do papel-moeda de fibras de algodão, os ingleses terão notas de plástico – informa o Guardian.

Novas libras. Testes com polímero começam imediatamente

O polímero das novas libras promete dificultar a falsificação e multiplicar por seis a duração das notas. No Brasil, em 2000, notas de R$ 10 feitas com o material foram impressas. O alto custo, no entanto, impediu que continuassem a ser.

Real de plástico. Cédulas foram fabricadas em 2000

As libras de plástico serão 50% mais caras que as atuais, mas o BoE diz que economizará 100 milhões de libras com a redução das impressões. Também serão 15% menores, mas ainda maiores que as notas de euro. E, embora poucos teimem em queimar dinheiro em sã consciência, o derretimento das libras de plástico será possível apenas acima dos 120°C.

O ex-primeiro-ministro Winston Churchill foi escalado para ser o primeiro a dar as caras, nas notas de 5 libras. A coroa da rainha seguirá presente em todos os modelos, cada qual com sua cor mantida. A rodagem das novas libras já começou. Na próxima semana, exemplares circularão nos centro comerciais de toda a Inglaterra.

Será espécie de consulta popular, com duração até dezembro. Se o polímero for bem aceito, todas as libras passam a ser de plástico em 2016. Se não, voltam às máquinas as bobinas de papel-moeda.

A mudança em doses homeopáticas tenta driblar a resistência da tradicionalista população inglesa. Mas, a julgar pela eleição de um não inglês como Carney para o BoE,  há sinais de afrouxamento nos costumes rígidos. Por sinal, outra alteração nada conservadora aconteceu há alguns meses: após pressão de grupos feministas, Jane Austen tomou o lugar de  Charles Darwin nas notas de 10.

No Canadá, onde Carney também presidiu o banco central, o dinheiro de plástico pegou – o que não tem pegado bem por lá é o cheiro

O jornal Guardian preparou uma série de perguntas e respostas em que você pode ler mais detalhes sobre a mudança.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: