As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil dá rentabilidade 100 vezes maior que Japão

Correspondente diz que investidores querem entender os títulos do Brasil

Carla Miranda

29 de setembro de 2010 | 12h54

makoto_danjo_reproducao_29092010.JPG

Os investidores japoneses buscam cada vez mais informações sobre o mercado financeiro do Brasil e procuram especialmente dados sobre títulos da dívida do País, disse ao Radar Econômico o jornalista Makoto Danjo, chefe dos correspondentes na América Latina do jornal japonês “Nihon Keizai Shimbun”, conhecido como “Nikkei”.

Quem compra títulos do Japão consegue uma rentabilidade de apenas 0,1% ao ano. Já os papéis da dívida brasileira dão mais de 10% ao ano – uma rentabilidade 100 vezes maior. Os grandes investidores conseguem taxas de 1% no Japão, mas ainda assim a aplicação no Brasil é dez vezes maior.

Danjo vê o chamado “custo Brasil” como o principal problema do País. Para ele, não faz sentido que um carro popular fabricado aqui tenha o mesmo preço de um veículo híbrido, com tecnologia mais sofisticada, feito no Japão.  

O “Nikkei” é um dos principais veículos de comunicação sobre economia e finanças do Japão. O jornal vende mais de 3 milhões de exemplares por dia. O conglomerado que controla o diário é dono também de outros jornais, além de revistas e canais de rádio e TV. O grupo criou o índice Nikkei 255, principal indicador da bolsa de valores de Tóquio.

A entrevista com Danjo faz parte de uma série com correspondentes da imprensa estrangeira no Brasil. O Radar Econômico já conversou com Jonathan Wheatley, do “Financial Times”, Paulo Prada, do “Wall Street Journal”, Eleonora Gosman, do “Clarín”, e Andrew Downie, da “Time Magazine”.

Assista à entrevista com Makoto Danjo, do “Nikkei”

Veja as outras entrevistas do Radar Econômico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.