As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Le Monde’: Belo Monte é ‘barragem gigante da discórdia’

Em editorial, jornal diz que projeto é 'metáfora das contradições do nosso tempo'

Carla Miranda

17 de agosto de 2012 | 07h00

le_monde_reproducao.jpg

O jornal francês Le Monde traz na primeira página da edição desta sexta-feira, 17, um editorial sobre o projeto da hidrelétrica de Belo Monte, cujas obras foram interrompidas por decisão judicial proferida no dia 14.

Na opinião do diário, Belo Monte é uma “barragem gigante da discórdia”, uma “metáfora impressionante das contradições do nosso tempo.

“De um lado, o dinamismo da sexta maior economia do mundo, suas necessidades energéticas gigantescas, seu desejo de desenvolver suas regiões mais pobres e oferecer empregos a dezenas de milhares de brasileiros. De outro, a proteção das tribos indígenas, ameaçadas de serem expulsas das terras onde vivem há tempos imemoriais, e a proteção da bacia amazônica, que não é apenas o pulmão da América do Sul, mas  um dos pulmões do mundo.”

O jornal acha que o que o consócio Norte Energia, que constrói a hidrelétrica, ofereceu aos índios – fornecimento de veículos e construção de escolas e postos de saúde – é pouco. “Mas já se sabe, infelizmente, como terminam frequentemente a fábula do pote de ferro contra o de barro”.

Dentro do diário, uma reportagem diz que a decisão judicial para que a obra fosse interrompida “não é a primeira nem será a última” na história de Belo Monte, mas “é  um marco histórico na saga judiciária da barragem”.

A decisão argumenta que, diferentemente do que foi aprovado no Congresso, a lei exige um estudo do impacto ambiental antes do lançamento do projeto, e não depois.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.