As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mailson: Por que a Grécia não abandonará o euro

Nem a possibilidade de a Grécia desvalorizar moeda justifica sair do euro

Carla Miranda

30 de setembro de 2011 | 12h01

mailson_da_nobrega.JPGA Grécia vai ou não abandonar o euro? Em meio a inúmeras análises já publicadas sobre o assunto, Mailson da Nóbrega* (foto) chama atenção para um artigo que define com clareza e objetividade cinco motivos que explicam por que o país mediterrâneo deve continuar com a moeda europeia.

Abaixo, o comentário de Mailson:

“É crescente o número de análises que apontam a inconveniência, a dificuldade operacional e os enormes riscos para a Grécia e o futuro da União Europeia caso o país mediterrâneo abandone a moeda única e volte ao padrão monetário anterior, a dracma. Hoje, apenas um articulista influente defende a medida: Nouriel Roubini.

O melhor artigo que li sobre a matéria é o de Ian Bremmer, presidente do Eurasia Group, que saiu no ‘Financial Times‘. Bremmer alinha cinco argumentos poderosos, alguns já conhecidos, outros inteiramente novos. Entre estes está o que contraria opinião geralmente aceita, de que a volta da dracma, permitindo a desvalorização cambial, promoveria as exportações e ajudaria o país a recuperar uma fonte importante de dinamismo e crescimento.

Primeiro, “não existe provisão legal para uma saída do euro”. A Grécia teria que negociar com seus parceiros na zona do euro e muito provavelmente com os 27 membros da União Europeia. “Seria um prolongado e confuso processo, criando perdas políticas e econômicas para todos envolvidos”.

Segundo, “se a Grécia deixar o euro, o calote da dívida soberana seria acompanhado do calote das empresas privadas”. O necessário fechamento dos bancos seria “complexo, custoso e contagioso”. E tudo ficaria mais difícil se considerado que a Grécia é uma democracia.

Terceiro, “o que a Grécia ganharia”? Diz-se que aumentaria a competitividade de suas exportações de bens e serviços, pois poderia desvalorizar a dracma. Acontece que apenas 16 bilhões de euros do PIB grego de 230 bilhões de euros vêm das exportações (7%). “É verdade que o turismo representa significativos 15% do PIB, ‘mas uma desvalorização teria limitados ganhos em relação aos competidores menos caros do Mediterrâneo, como a Turquia’.

Quarto, ‘a Grécia tem uma montanha de dívidas em euros. A volta para a dracma não mudaria essa situação.’ Na realidade, a desvalorização tornaria mais difícil o pagamento dessas dívidas. O limitado ganho da desvalorização não seria duradouro. Após a saída do euro, a União Europeia imporia tarifas aduaneiras sobre as exportações gregas, enquanto o país perderia o acesso aos fundos estruturais europeus. A Grécia já experimentou a estratégia nos anos 1980. Não ganhou competitividade e a inflação resultante corroeu as poupanças dos cidadãos.

Quinto, ‘apesar da ira da população em relação às medidas de austeridade, o consenso em Atenas é pelo reconhecimento da falta de lógica – ou de apoio – para uma saída do euro.’ No parlamento, apenas o Partido Comunista (7% das cadeiras) apoia a medida. Na última pesquisa de opinião, 60% eram favoráveis ao euro.

Assim, a Grécia não tem qualquer interesse em deixar o euro. Tampouco haveria interesse de outros países do bloco, que ao contrário procurariam barrar a saída. Por que ‘Portugal e Irlanda aprovariam a saída para serem os próximos a chamar a atenção dos mercados’? A Alemanha concordaria? Suas exportações diminuiriam como resultado da depreciação de moedas precipitada por um abandono do euro pela Grécia. Se a Grécia deixar a Zona do Euro, isso criaria um precedente político e econômico muito perigoso para outros países endividados, particularmente a Itália.

Bremmer conclui afirmando que ‘a dívida pública grega alcançou 150% do PIB, mas sua permanência no euro permanece 100% segura. Na verdade, esta a única decisão a tomar’.”

Mailson da Nóbrega foi ministro da Fazenda (1988 a 1990) e hoje é sócio da Tendências Consultoria Integrada e membro de conselhos de administração de empresas no Brasil e no exterior. Ele colabora com o Radar Econômico comentando artigos e reportagens relevantes da imprensa internacional.

Blog: http://mailsondanobrega.com.br/blog/

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.