Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No Brasil, salário mínimo compra duas cestas básicas; nos EUA, seis

Levantamento com oito países mostra a França em melhor situação

Carla Miranda

18 de maio de 2011 | 06h00

arroz_feijao_ae_jonne_roriz_21092009_.jpg
Foto: Jonne Roriz/AE

alcides_leite01.jpgQuem ganha o salário mínimo no Brasil é capaz de comprar apenas duas vezes por mês os itens que o Dieese (Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos) usa como parâmetro da cesta básica do País. Nos Estados Unidos, o salário mínimo local permite adquirir quase seis vezes os mesmos produtos, segundo um levantamento feito por Alcides Leite*, colaborador do Radar Econômico.

Toda quarta-feira, este blog apresenta uma comparação de preços de produtos em diversos países. Desta vez, Leite inclui também a comparação dos salários mínimos e médios em sete nações, além do Brasil.

Aqui, o salário mínimo, de R$ 545, ou US$ 333, vale duas cestas, que saem por R$ 269, ou US$ 166, segundo o Dieese. Nos EUA, com um salário mínimo (US$ 1.160) é possível comprar no supermercado D’Agostino, em Nova York, todos os itens da cesta básica brasileira  quase seis vezes.

Nesse tipo de comparação, a França foi, entre os países estudados, o que apresentou melhor situação. Com um salário mínimo, de US$ 1.950, compram-se mais de nove cestas básicas. O pior cenário é o do México, onde um salário compra apenas uma cesta.

Se considerado o salário médio da população, a melhor situação é a do Reino Unido, onde se compram quase 20 cestas. Nos EUA, o salário médio compra mais de 15; no Brasil, menos de 6; na Argentina, mais de 8.

Veja abaixo quantas cestas básicas (considerando sempre os itens padrões do Brasil) é possível comprar em cada país (em US$):

PaísPreço cestaSalário mínimoSalário médioCesta/s. míninoCesta/s. médio
Brasil / Dieese165,75333,33961,112,015,8
Brasil supermerc.156333,33961,112,146,16
Argentina124,86450,981.029,413,618,24
Chile169,8367,11.008,582,165,94
Uruguai148,47256,63628,981,734,24
México147,99154,05515,021,043,48
Estados Unidos198,581.1603.148,765,8415,86
França209,631.9502.954,299,0314,09
Reino Unido185,371.530,323.632,858,2619,6

 

OBS: Supermercados utilizados: Sonda (São Paulo), Coto (Buenos Aires), Líder (Santiago), Devoto (Montevidéu), Superama (Cidade do México), D’Agostino (Nova York), Carrefour (Paris), Tesco (Londres). Fontes de salários: sites de institutos de estatísticas de cada país.

O economista Paulo Rabello de Castro** comenta os números:

“Apesar da carga tributária elevada, a cesta básica brasileira é bastante competitiva, comparando com outros países da lista. Em valores, só perde para a Argentina e empata com o Chile, por exemplo.

O agronegócio brasileiro, que, a despeito de enfrentar fatores adversos como logística cara, desperdício em embarques e desembarques, dificuldade de recuperação do crédito tributário, dupla tributação em diferentes momentos da cadeia produtiva, preço elevado de energia elétrica e alto custo financeiro, com maiores juros do mundo, é bastante competitivo. Esse conjunto de dificuldades estruturais, chamado custo Brasil, pesa muito na hora em que o agricultor tira o produto do campo. Ele é obrigado a ter sucesso da porta para dentro para compensar os problemas da porta para fora.

O produtor e a família brasileira seriam beneficiados com uma carga tributária mais racional. O produto seria embarcado por um preço menor, impactando positivamente as receitas das exportações e o saldo comercial. Já o rendimento das famílias também seria maior, com consequente aumento do poder de compra.”

* Alcides Leite é professor de economia na Trevisan Escola de Negócios e analista-inspetor concursado do Banco Central. Autor de “Brasil, a trajetória de um país forte”.

** Paulo Rabello de Castro é coordenador do Movimento Brasil Eficiente (MBE), que reúne mais de 80 entidades empresariais em defesa da simplificação fiscal e maior eficiência nos gastos públicos. Recentemente, lançou campanha pela subscrição de abaixo-assinado, no site www.brasileficiente.org.br, que pretende recolher 1 milhão de assinaturas para transformar em projeto de lei suas propostas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: