As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘NYT’: maioria silenciosa do Brasil parece encontrar sua voz política

Jornal norte-americano faz editorial chamado "O despertar social no Brasil"

Nayara Fraga

21 de junho de 2013 | 10h52

Altamiro Silva Júnior, correspondente em Nova York

NOVA YORK – Em um editorial nesta sexta-feira, 21, com o título “O despertar social no Brasil”, o jornal The New York Times diz que a maioria silenciosa da população do Brasil parece estar encontrando sua voz política. E, nesse cenário, a presidente Dilma Rousseff terá que endereçar novas demandas com substância e entendimento.

O jornal norte-americano, que vem dando amplo destaque aos protestos no Brasil nesta semana (o assunto foi novamente capa do NYT nesta sexta-feira), diz que as enormes manifestações no País pegaram todo mundo de surpresa, mas talvez não devesse ser o caso. Apesar das enormes conquistas do País nas últimas décadas (economia mais forte, eleições democráticas, maior atenção e dinheiro aos pobres), ainda há uma distância enorme entre as promessas dos políticos de esquerda que governam o país e a realidade do dia a dia dos brasileiros.

O editorial do The New York Times cita um estudo do Banco Mundial que coloca o Brasil como a sétima maior economia do mundo. Ao mesmo tempo, o país fica entre os piores colocados na distribuição de renda e em rankings de educação. O jornal cita ainda que vários políticos brasileiros têm sido envolvidos em casos de corrupção e mau uso do dinheiro público.

Por isso, o jornal destaca que não é surpresa que o aumento das tarifas de ônibus tenha gerado uma insatisfação generalizada da população que paga cada vez mais impostos. Também não é surpresa a decepção das pessoas com os altos gastos para reformar ou construir estádios para a Copa do Mundo em um país carente de melhores educação e saúde.

O The New York Times avalia que Dilma teve o mérito de não ir contra às manifestações, declarando que entende os anseios e a necessidade de mudança pedida pelas massas. Mas as demonstrações desta semana revelam uma revolta crescente da população com relação às prioridades de gastos do governo e má qualidade de serviços públicos que precisará ser avaliada por Dilma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.