As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Obama: só ‘teme’ a reforma financeira quem quer ‘trair’ o eleitor

Presidente dos EUA diz que projeto tornará o sistema financeiro mais competitivo

Carla Miranda

22 de abril de 2010 | 13h42

Atualizado às 16h14

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, proferiu um discurso nesta terça-feira em Nova York defendendo a reforma no sistema financeiro. Ele reforçou o que havia sugerido há dois anos (antes de ser eleito e antes de a crise internacional estourar), de aumentar os limites aos riscos que os bancos podem assumir.

“As únicas pessoas que poderiam temer esse tipo de supervisão e transparência são aquelas cuja conduta trairá os seus votos”, declarou o presidente dos EUA, após conclamar parlamentares republicanos a aderirem à proposta. “Um voto pela reforma é um voto para avabar com as ajudas públicas pagas pelos contribuintes”, afirmou. Para ele, os políticos que trabalham pelo lobby da indústria financeira são “cínicos”.

Obama procurou passar a ideia de que a reforma no sistema financeiro é boa para todo o país, inclusive para os bancos. “[Essa proposta] não irá apenas salvaguardar o sistema contra crises, mas também tornar o nosso sistema mais forte e competitivo”. Todo em tom do discurso foi de tentar unir, e não opor, o mercado financeiro e os demais setores. “Ultimamente, não há linha divisória entre Main Street e Wall Street”, afirmou (a expressão “Main Street” se refere nos EUA ao interesse da população assalariada ou dos pequenos negociantes).

O raciocínio do presidente é de que, se se limitam os riscos, o sistema financeiro norte-americano se torna mais confiável e, portanto, mais competitivo. Dirigindo-se ao setor financeiro, Obama disse: “Juntem-se a nós, ao invés de lutar contra”.

Ele ainda criticou os complexos mecanismos de investimentos no mercado financeiro que permitiram empresas como AIG a fazer “apostas enormes e arriscadas […] de forma a desafiar a prestação de contas”. “É o que levou [o megainvestidor] Warren Buffett a descrever os derivativos que foram comprados e vendidos com pouco controle de ‘armas financeiras de destruição em massa’”.

Os 4 pontos da proposta de Obama

O presidente dos EUA dividiu sua proposta de reforma financeira em quatro itens:

1. Limitar o tamanho dos bancos e o tipo de risco que eles podem assumir

2. Determinar que as instituições financeiras abram para investidores e reguladores ,mais detalhes sobre as negociações de derivativos

3. Criar uma agência para levar aos clientes de bancos informações “claras e concisas”

4. Dar a acionistas maior influência sobre as decisões das empresas, podendo intervir, inclusive, nos bônus pagos aos executivos

Leia a íntegra do discurso no site do Wall Street Journal (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.