As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Ocupar Wall Street’ ganha apoio de sindicatos nos EUA

Organizações sindicais proveem alimentos, fotocópias e espaço físico

Carla Miranda

21 de outubro de 2011 | 12h47

ocuppy_wall_street_ap_john_minchillo.jpg

O “Ocupar Wall Street”, movimento que nasceu em setembro na forma de um acampamento em Nova York e sem ligação com instituições, agora tem recebido apoio logístico de sindicatos americanos, informa o “Washington Post”.

Segundo a reportagem, sindicatos proveem aos ativistas alimentos, serviço de fotocópia, espaços para serem usados como escritórios e salas de reuniões, entre outras formas de ajuda.

Em troca, membros do “Ocupar” participam de manifestações contra empresas envolvidas em disputas trabalhistas. Para esta sexta-feira, estava previsto um ato reunindo ativistas e trabalhadores do setor de telefonia em protesto contra a Verizon.

Para o jornal, essa parceria “representa um novo capítulo para os ativistas anti-Wall Street, que já expressaram repúdio a forças estabelecidas tanto na forma de grandes partidos políticos como nas táticas de organizações tradicionais usadas há muito pelos sindicatos”.

Oportunidade

“Esta é uma rara oportunidade para os sindicatos”, disse ao “Post” o presidente do sindicato de caminhoneiros em Nova York. Segundo o jornal, trabalhadores desse setor se tornaram visitantes regulares do Zuccotti Park, onde os ativistas do “Ocupar” estão acampados.

O “Post” afirma que o presidente da seção de Nova York da AFL-CIO, maior central sindical dos Estados Unidos, conversou com autoridades municipais para tentar convencer o prefeito Michal Bloomberg a não retirar os ativistas da praça.

“Nossos membros vinham tentando levantar essa questão sobre Wall Street há muito tempo. Este movimento nos provê um veículo”, disse ao “Post” o presidente da AFL-CIO. “Este é um movimento organizado. Nós não estamos tentando aparelhá-lo. Apenas estamos caminhando ao lado dele”, afirmou.

O movimento tem recebido apoio de sindicato também fora de Nova York, em Boston, Sacramento, St. Louis e Los Angeles, segundo a reportagem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: