As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Opinião: governos deixam de ser solução da crise e viram problema

EUA aceleram economia com estímulos e elevam déficit a perder de vista

Carla Miranda

28 de maio de 2010 | 12h36

Os governos, que no início da crise financeira internacional apareceram como salvadores da economia, socorrendo empresas falidas e provendo estímulos à produção e ao emprego, agora se tornaram o novo problema, na avaliação da revista britânica The Economist.

A capa da edição desta semana alerta: “O medo volta – como evitar uma recessão de duplo mergulho”. Nos Estados Unidos, onde a crise internacional teve início, as mais recentes propostas do governo para estímulo ao emprego elevarão o déficit do país em US$ 134 bilhões, para mais de US$ 1 trilhão.

O Congresso dos EUA também colabora com o aumento do déficit: apesar de recentemente ter proibido aumento de gastos e corte de impostos, agora vai votar incentivos de US$ 79 bilhões, com o argumento de que se trata de uma “emergência”. Isso tudo apesar de as projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto estarem sendo revisadas para cima.

“A política fiscal de Barack Obama tem sido descrita como ‘acelerar agora, frear depois’: aumento do déficit em curto prazo […], seguido por uma mudança para reduzir o crescimento da dívida. A mudança, no entanto, permanece uma abstração futura”.

O fato de o dólar ser a moeda mundial faz com que o problema das contas públicas dos EUA só piore, na opinião da Economist. Porque a moeda dos EUA, durante a crise internacional, acaba sendo valorizada, enquanto a taxa de juros dos títulos do país cai – ao contrário das demais nações.

Trata-se de um desestímulo para os políticos olharem para os problemas futuros que o déficit pode causar, na opinião da revista. “Ainda não há muito incentivo para [os EUA] tirarem o pé do acelerador a pisar no freio.”

Leia a reportagem ‘O medo volta’ no site da Economist (em inglês)

Leia ‘O grudento pedal do acelerador’ no site da Economist (em inglês) 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.