As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para BCs, dólar perderá status de moeda de reserva em 25 anos

Pesquisa ouviu gestores de 80 entidades que, juntas, manuseiam US$ 8 trilhões

Carla Miranda

27 de junho de 2011 | 15h49

Uma pesquisa feita com altos funcionários de 80 bancos centrais, fundos soberanos e instituições multilaterais mostrou que a maioria dos pesquisados deixou de acreditar que o dólar permanecerá indefinidamente como a moeda mundial de reservas, informa o “Financial Times”.

Juntos os entrevistados administram US$ 8 trilhões de dólares, segundo o banco UBS, que organizou o levantamento. Mais da metade dos pesquisados aposta que o dólar será substituído por uma cesta de moedas nos próximos 25 anos. Na pesquisa anterior, feita no ano passado, a maioria ainda achava que o dólar permaneceria como moeda de reserva por mais tempo.

O levantamento mostra que existe uma “insatisfação” com a moeda americano, por parte dos líderes de bancos centrais e fundos soberanos, afirma o “FT”. Os principais motivos são a possível “falta de habilidade do governo dos Estados Unidos” em conter gastos públicos e a “enorme expansão” do balance sheet do Federal Reserve (banco central dos EUA).

O jornal lembra que o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, propôs no ano passado que o dólar fosse substituído nas reservas internacionais por uma cesta de moedas, incluindo não só a americana, mas também o euro, o iene (Japão), a libra esterlina (Reino Unido) e o renminbi (China).

Um estudo da Standard Chartered estima, ainda, que três quartos das reservas acumuladas pela China de janeiro a abril, de US$ 200 bilhões, tenham sido investidos em outros ativos que não o dólar.

Além das moedas citadas, o ouro também emerge como possível ativo de reservas internacionais. Em 2011, bancos centrais já compraram 151 toneladas do metal precioso, de modo que o ano deva terminar com a maior aquisição de ouro por BCs desde 1971, ano em que o padrão ouro caiu. Essa estimativa é da organização World Gold Council, sediada no Reino Unido.

Leia a notícia no site do “Financial Times” (em inglês)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.