As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Philips admite dificuldade de concorrer com rivais da Ásia

Presidente da empresa no Brasil vê cenário desfavorável na área de TV

Carla Miranda

29 de abril de 2011 | 17h53

O presidente da Philips no Brasil, Marcos Bicudo, admitiu em entrevista ao site da Rio Bravo Investimentos que os concorrentes asiáticos estão em posição melhor do que a empresa holandesa na área de televisores.

Leia trecho da entrevista:

O que está acontecendo nessa indústria que faz com que um player como a Philips não consiga ganhar dinheiro?

Marcos Bicudo: Olha, a indústria de televisores é uma indústria com muita volatilidade, que pós a entrada dos concorrentes coreanos, especialmente LG e Samsung, ela teve…,o seu comportamento tem sido ainda mais volátil. Então nós vemos aí uma sede por participação de mercado dos concorrentes, especialmente coreanos, e a grande pergunta é o quão sustentável é esse tipo de postura. A rentabilidade do negócio de televisores caiu significativamente, nós vamos ver agora as publicações no primeiro trimestre de resultados que vão surpreender.

Para que lado?

MB: Para o lado negativo. Nós vamos ver inclusive que a Philips, assim como toda a indústria, não tem resultados favoráveis, ela fez até um profit owarning anunciando uma perda razoável, essa perda obviamente vai se concretizar,então realmente o mercado de televisores hoje é um mercado comoditizado, com pouca diferenciação,onde os grandes players são os players que estão verticalizados na cadeia, que produzem seus painéis.

Que são?

Que são obviamente os coreanos, alguns chineses.

A Philips não é verticalizada?

Desculpe. E também japoneses. Você tem aí Sharp, que também é verticalizada, embora não tenha presença no mercado brasileiro.

A Philips não. A Philips compra os painéis, a Philips nessa transformação nos últimos 10 anos ela saiu dos painéis.

Da fabricação?

Da fabricação dos painéis. Tinha uma joint venture com a LG, a LG displays. Então, eu penso que um dos desafios do Frans van Houten é fazer com que essa volatilidade e o impacto de televisores no nosso negócio seja cada vez menor. É isso que eu posso revelar nesse momento.

Ouça a entrevista no Podcast Rio Bravo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.