As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Portugal Telecom quer até 40% da Oi se vender Vivo, diz jornal

Segundo jornal, entrada da PT na Oi se daria por meio de capital estatal

Carla Miranda

26 de julho de 2010 | 09h47

Atualizado às 10h07

A Portugal Telecom planeja comprar entre 30% e 40% da operadora brasileira de telefonia móvel Oi, caso venda sua participação na Vivo, segundo o jornal espanhol El Economista.

A reportagem diz ter obtido a informação com brasileiros próximos das negociações e acrescenta que “a entrada da PT na Oi seria feita por meio de capital estatal”.

‘Grandíssimo potencial’

O site do jornal português Diário Econômico, por sua vez, relatou que o presidente do maior acionista da companhia lusa, o Banco Espírito Santo (BES), disse na manhã desta segunda-feira, 26, que “a Oi tem um grandíssimo potencial” e que a PT deve investir no Brasil.

Mas ele não deu certeza de que a Oi será a escolhida. “A PT deve investir no Brasil. Ainda não sei se será a Oi. Há alternativas. Há outras emprersas interessantes. Espero que venha a acontecer rapidamente”, afirmou Ricardo Salgado, presidente do BES, como relatado no Diário Económico.

O cobiçado ‘4 em 1’

A empresa portuguesa atualmente é dona de metade do controle da Vivo. A proprietária da outra parte, a Telefónica, da Espanha, já fez três propostas para comprar a fatia portuguesa na operadora de celular. A última delas foi aprovada pelos acionistas da PT, mas rejeitada pelo governo português, que tem uma “golden share” na empresa lusa, o que lhe dá poder de veto.

Segundo especialistas, a Telefónica precisa do controle da Vivo para poder oferecer aos consumidores o pacote 4 em 1 de serviços de telecomunicações: telefonia fixa, internet em banda larga, TV por assinatura e telefonia móvel.

A PT resiste em abrir mão da sua participação na Vivo porque a empresa brasileira é uma peça chave para a sua receita.

Leia a reportagem no site do jornal El Economista (em espanhol)

Confira as declarações de Salgado no site do Diário Económico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.