As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Roubini: alta recente das bolsas esconde mercado instável

Para economista, investidores têm comprado ações até quando ouvem más notícias

Carla Miranda

19 de setembro de 2012 | 15h35

O economista Nouriel Roubini observa, em artigo no site Project Syndicate, que desde julho o preço das ações tem subido tanto com notícias boas como com ruins (veja gráficos abaixo, retirados do Google Finance), o que dá a falsa impressão de que os mercados tenham ficado mais estáveis.

Quando um dado é positivo, os investidores compram ativos, como era de se esperar. Mas quando é negativo, eles também compram por confiarem que os bancos centrais dos Estados Unidos e da zona do euro vão agir para acalmar o mercado ou estimular a economia, observa o economista.

Roubini acredita que esse comportamento não deve durar. “Mercados que sobem tanto com boas quanto com más notícias não são mercados estáveis”, alerta o economista, que já foi chamado de Dr. Apocalipse por ter previsto a crise de 2008.

Para ele, decisões como a do Banco Central Europeu de dizer que comprará títulos de países dos quais o mercado se mostrar altamente desconfiado apenas servem para ganhar tempo e não resolvem a questão de fundo. Quando os investidores perderem a confiança nos formuladores de políticas, diz Roubini, a instabilidade voltará.

O economista não vê sinais de que a Europa estaria caminhando na direção das reformas que ele considera necessárias, a saber, a união bancária, fiscal e econômica e o estabelecimento de políticas que restaurem o crescimento, as contas externas e a competitividade. “Fazer isso será muito difícil”, opina.

O artigo foi publicado na semana passada, mas a tendência apontada permanece: as ações continuam subindo mesmo sem notícias de que os problemas de fundo citados acima estejam sendo resolvidos.

EUA (Dow Jones)

google_finance_dow_jones_reproducao.JPG

Reino Unido

google_finance_ftse_reproducao.JPG

França

google_finance_cac_reproducao.JPG

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.