Sêmen de salmão pode facilitar extração de metais raros

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sêmen de salmão pode facilitar extração de metais raros

Produto usado na culinária japonesa serve como catalizador para separar substâncias preciosas para a indústria eletrônica presentes nas chamadas 'terras raras'

Economia & Negócios

28 de janeiro de 2015 | 11h11

Foto ampliada de minerais raros; No destaque, sêmem de salmão usado na culinária japonesa (Fotos: Corriere Della Sera)

Foto ampliada de minerais raros; No destaque, sêmen de salmão usado na culinária japonesa (Fotos: divulgação)

O fluido seminal de salmão é um excelente agente para extrair das terras raras preciosos elementos indispensáveis para a fabricação de telefones celulares, computadores e outros artigos eletrônicos.

A descoberta é de uma equipe de cientistas japoneses em pesquisa experimental publicada no site PlosOne, informou o jornal italiano Corriere Della Sera.

As chamadas terras raras são compostas por 17 elementos químicos: lantanídeos, ítrio, escândio e outros. São metais cada vez mais usados na indústria eletrônica, mas muito difíceis de reciclar, uma vez que se tornam resíduos.

Esses minerais servem para a fabricação de componentes essenciais em muitos dispositivos tecnológicos, e também em ímãs de alto desempenho, painéis fotovoltaicos, catalisadores e até mesmo como cerâmica colorida.

A China é o maior produtora de terras raras do mundo. No Brasil, a empresa OFM Mineral Star, do empresário Olacyr de Moraes, o ex-rei da soja, explora terras raras desde 2012.

A extração e reciclagem desse tipo de mineral é cara, complicada e causa danos ao meio ambiente, porque geralmente implica no uso de produtos químicos, tóxicos e até radioativos.

São usados principalmente processos hidrometalúrgicos ou pirometalúrgicos. Par causa dessas dificuldades, cientistas buscam alternativas na biomineração, tecnologia de exploração mineral que utiliza bactérias para extrair e isolar os elementos úteis diretamente dos depósitos nas rochas.

Surpreendentemente, o esperma de peixe pode ser uma alternativa viável, segundo os cientistas japoneses.

O esperma do salmão é bem conhecido no Japão, onde os órgãos sexuais dos peixes machos, com o líquido seminal, são usadas como alimento.

O grupo de cientistas da Universidade de Tóquio e Hiroshima – que em 2010 tinha estudado tecnologias biomineração para a reciclagem de terras raras – vem desenvolvendo experiências com esta nova solução mais sustentável.

O fluido seminal do peixe contém fosfato, a mesma substância que atraiu as bactérias em experiências anteriores.

Os cientistas usam o esperma do salmão seco e pulverizado em um recipiente de vidro contendo amostras de túlio e de lutécio (duas substâncias mais valiosas presentes nas terras raras). O esperma atrai e absorve a duas substâncias, que podem então ser separadas com o uso de ácido e uma centrífuga.

A extração não poluente ainda precisa ser aperfeiçoada, usando elementos químicos para fortalecê-la e torná-la eficaz com outra substâncias. A viabilidade econômica também ainda precisa ser comprovada, uma vez que o esperma de salmão é geralmente um subproduto da indústria da pesca e acaba no lixo. No Japão, milhares de toneladas são jogadas fora por ano.

Leia também:

Minerais raros são extraídos na Bahia

 

Tudo o que sabemos sobre:

Teras raras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: