As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Teles denunciam sites e entram na briga da privacidade na web

Acusação é de que grupos de internet têm vantagem por ser menos regulados

Carla Miranda

31 de maio de 2010 | 11h20

As maiores empresas de telecomunicações da Europa resolveram entrar oficialmente na briga sobre a alegada violação de privacidade por sites que armazenam grande quantidade de dados de internautas, como o Google e o Facebook.

O jornal espanhol Expansión  informa que 41 grandes operadoras fizeram uma denúncia formal à Comissão Europeia contra “grupos de internet” que estariam em uma situação vantajosa por se submeterem a uma regulação mais frouxa.

FACEBOOK, ‘O XERETA’
 O caderno Link explica o que está acontecendo com o Facebook. Leia aqui

Entre as operadoras estão Telefónica, Deutsche Telekom, Orange, Telecom Italia, TeliaSonera, KPN e Belgacom.

As teles dizem que as práticas das companhias de internet de armazenar dados dos usuários ameaçam a privacidade dos cidadãos e ainda dá aos sites uma “vantagem abusiva” no mercado de publicidade online, uma vez que as operadoras são submetidas a leis mais restritivas.

A denúncia é assinada pela Etno (sigla em inglês para Associação Européia das Operadoras de Redes de Telecomunicações). A entidade, sempre segundo o jornal espanhol, pretende iniciar ainda neste ano trabalhos para abordar uma revisão das regras européias de proteção de dados, que são de 1995 – portanto, anteriores ao Google e ao Facebook.

A notícia não diz se o documento cita nominalmente o Google e o Facebook, mas o teor da denúncia deixa claro que essas duas empresas seriam afetadas.

“Devido a obrigações de proteção de dados, as operadoras tradicionais de comunicação eletrônica, como as companhias de telecomunicações, estão perdendo terreno frente aos grupos de internet”, afirma trecho da denúncia, destacado no jornal.

Na última quinta-feira, a União Europeia advertira Google, Microsoft e Yahoo por armazenarem o histórico de pesquisas feitas pela internet.

Leia a reportagem no site do jornal Expansión (em espanhol)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.