As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Toyota dá chance ‘sem precedentes’ à retomada de GM e Ford

Carros dos EUA tinham menos crédito que os japoneses antes da crise da Toyota

Carla Miranda

12 de fevereiro de 2010 | 12h49

 Atualizado às 13h53

Após anunciar o recall de mais de 8 milhões de veículos, a Toyota abre uma oportunidade “sem precedentes” para a recuperação da General Motors, da Ford e inclusive da Chrysler, afirma o site da revista norte-americana BusinessWeek.

MAIS:
Para Economist, Brasil vê a economia como o Carnaval
FMI desafia ortodoxia e cogita aumentar metas de inflação
Vale e outras mineradoras pedem preço recorde do minério
Milhões de americanos terão parte da empresa de Buffett

As três montadoras gigantes de Detroit cambalearam durante a crise econômica internacional e viram a concorrente japonesa se tornar a maior do mundo. Em setembro de 2009, a GM achou que os consumidores norte-americanos não davam à empresa o crédito que ela merecia e lançou uma campanha publicitária agressiva, relata a revista. O mote era: “O melhor carro pode ganhar”. À época, existia a ideia de que as montadoras dos EUA não conseguiam produzir os carros que os norte-americanos queriam comprar.

Depois dos recalls da Toyota, diz a BusinessWeek, a campanha da GM mostrou-se presciente, abrindo espaço para tomar clientes da japonesa. Mas o momento favorável às fabricantes dos EUA não vai durar para sempre. “Se você quer levar maket share da Toyota, tem que fazer isso nos próximos nove meses”, disse à BusinessWeek David Champion, editor da revista Consumer Reports, a “bíblia” dos consumidores norte-americanos.  

A revista não comenta, mas vale lembrar que a Ford e a GM também entraram na onda dos recalls, mas com bem menos veículos do que a Toyota, conforme mostra infográfico do portal Economia & Negócios. A primeira retirou do mercado 16,7 mil automóveis, e a segunda, 4.000.

Leia a reportagem no site da BusinessWeek (em inglês)

Veja o infográfico sobre a onda global de recalls

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.