Walmart enfrenta greve e série de protestos nos EUA

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Walmart enfrenta greve e série de protestos nos EUA

Um trabalhador e dois ex-funcionários foram presos por ‘desordem’ em Nova York

Gustavo Santos Ferreira

05 de setembro de 2013 | 20h12

Trabalhadores da rede varejista Walmart cruzaram os braços nesta quinta-feira, 5, nos Estados Unidos. Ao menos 15 manifestações foram organizadas em cidades americanas. A categoria exige melhores salários, boas condições de trabalho e recontratação de trabalhadores demitidos.

A dispensa de trabalhadores no início do ano, alegam, foi motivada pela participação em protestos anteriores por melhores salários.

Exigências. Maiores salários e reintegração de demitidos

Um funcionário e duas dessas pessoas dispensadas chegaram a ser presos em Nova York. Após irem ao escritório do Walmart na cidade para entregar sua lista de reivindicações, os três tiveram a conduta classificada como “desordeira” pela polícia – informou a Bloomberg.

Os ativistas haviam estipulado em negociações anteriores o dia 2 de setembro (Dia do Trabalho nos Estados Unidos) como data limite para serem atendidos.

São mais de 1 milhão os trabalhadores da rede Walmart, que recebem U$ 12,83 por hora na média. Ativistas exigem revisão do valor que alcance renda anual mínima de U$ 25 mil para eles. O gasto calculado pelos manifestantes seria de U$ 17 bilhões.

No Brasil, em maio, o Walmart também teve de lidar com o descontentamento de seus contratados. Sem relógio para marcar ponto – a empresa diz que o aparelho estava apenas quebrado -, grupo de 250 pessoas protestou contra carga excessiva de trabalho.

Tudo o que sabemos sobre:

BloombergWalmart

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: