As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Warren Buffett aguarda 40 mil pessoas no Dia do Trabalho

Fãs vão ao evento conhecido como o 'Woodstock dos capitalistas'

Carla Miranda

30 de abril de 2010 | 11h11

Atualizado às 13h26

warren_buffett_encontro_omaha_reuters_carlos_barria_03052008_.jpg
Warren Buffett em encontro com fãs em 2008 (foto: Carlos Barria /Reuters)

O que você perguntaria a Warren Buffett? O megainvestidor espera receber 40 mil pessoas neste sábado, na cidade norte-americana de Omaha, segundo a agência Reuters. A data do evento coincide com o Dia Internacional do Trabalho, ainda que, particularmente nos Estados Unidos, esse feriado seja celebrado em setembro.

Trata-se de um evento anual que muitas vezes é chamado de “Woodstock dos capitalistas”, como lembrou a Fortune, ou “Oráculo de Omaha”, segundo o Wall Street Journal. Buffett encontra-se com acionistas de sua empresa, a Berkshire Hathaway, mas recebe também muitos outros investidores – de todos os tamanhos – e inclusive fãs, interessados em fazer perguntas (poucos acabam tendo essa chance) e ouvir o que ele tem a dizer.

O bilionário Buffett desperta interesse do público não apenas pela fortuna (ele é o 3º mais rico do mundo, segundo o ranking da Forbes, com US$ 47 bilhões), mas pela forma como “faz dinheiro”, como dizem os anglo-saxões: ele compra participações em empresas (entre outros papéis) por um preço mais baixo do que considera ser o seu valor intrínseco.

Outros também fazem isso, mas Buffett tem uma capacidade invejável de identificar onde investir. Por exemplo, no pior momento da crise financeira internacional, quando mundo fazia as apostas sobre qual seria o próximo banco dos EUA a pedir ajuda ao governo, o bilionário revolveu aplicar US$ 5 bilhões na compra de parte do banco Goldman Sachs, que depois “emergiu relativamente incólume” da turbulência, como certa vez o Wall Street Journal observou.

Esse caso, aliás, é alvo de investigação das autoridades dos EUA. A suspeita é de que um funcionário do banco teria antecipado a um administrador de fundo a informação de que Buffett tinha feito o investimento – antes de o bilionário anunciar publicamente a decisão.

warren_buffett_omaha_carlos_barria_reuters_05052009_.jpg
Buffett joga cartas no encontro de 2009 (foto: Carlos Barria/Reuters)

A Fortune pensou em quatro perguntas a serem feitas a Buffett (leia o texto na íntegra, em inglês):

1. Buffett enalteceu o Goldman Sachs dois anos atrás. As investigações sobre possível fraude mudam a sua avaliação?

2. Buffett chamou derivativos de “armas financeiras de destruição em massa”. Por que hoje ele briga com reguladores que podem lhe dar mais segurança?

3. Buffett alertou, no ano passado, sobre risco de inflação (nos EUA). Ele ainda se preocupa com um surto inflacionário?

4. A empresa de Buffet alcançou o 5º lugar no ranking das maiores companhias dos EUA. Ela não está grande demais?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.