Centenária, Bauhaus ecoa em construções icônicas de São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Centenária, Bauhaus ecoa em construções icônicas de São Paulo

Escola alemã de arquitetura, que completou 100 anos neste ano, marca prédios icônicos da capital paulista; convidamos arquitetos a comentar o legado da Bauhaus na cidade

Lorena Lara

15 de dezembro de 2019 | 06h00

Especial para o Estado

A primeira casa modernista do Brasil, assinada pelo ucraniano Gregori Warchavchik, foi levantada depois que a Prefeitura de São Paulo aprovou um projeto falso para a fachada da construção, em 1928. Recém-casado com a paisagista Mina Klabin, o projetista só conseguiu a autorização do município porque, no papel, a casa teria janelas decoradas ao estilo colonial, paredes com cornijas e simetria rígida o suficiente para deixar arbustos dos mesmos tamanho e formato.

Na prática, nada disso foi feito. Era uma fachada modernista, de formato racionalizado, adornada por plantas tropicais e que ficou conhecida como a primeira aplicação da Bauhaus em território brasileiro. Para não ser incomodado pela Prefeitura, Warchavchik alegou que não possuía mais recursos, mão-de-obra ou materiais suficientes para o acabamento da casa e, assim, conseguiu deixar como queria a Casa Modernista da Rua Santa Cruz, na Vila Mariana.

A Bauhaus, escola modernista alemã de design e arquitetura, foi fundada em 1919 por Walter Gropius. O eixo principal era coeso: forma segue função. Apesar da essência simples, a revolução foi grande o suficiente para que a escola fosse perseguida pelo nazismo. Seus professores tiveram que se exilar pelo mundo, como explica a doutora em arquitetura e urbanismo e professora da Anhembi Morumbi Mariana Rolim.

Vista interna da Casa de Vidro, projetada por Lina Bo Bardi. Foto: Jonne Roriz/Estadão-2011

“A Bauhaus foi um momento de ruptura de uma tradição neoclássica e eclética para os primeiros projetos modernistas, com forte base na funcionalidade. Com a perseguição à escola, houve uma difusão dos pensamentos da Bauhaus, principalmente porque vários professores emigraram para os Estados Unidos.”

O novo mundo foi o território perfeito para que a Bauhaus se disseminasse. Com cidades que ainda se construíam, havia espaço para o novo. Ela acabou chegando ao Brasil e influenciando toda uma geração de projetistas. Um dos principais representantes da escola na América do Sul foi Oscar Niemeyer. Brasília, projetada em 1957, fez-se sob tendências modernas e funcionalistas inauguradas pelo bauhausianismo quase quatro décadas antes.

Em 2019, cem anos depois da inauguração da Bauhaus na Alemanha, São Paulo é vitrine do modernismo e da aplicação da escola não só em prédios, mas na maneira como a cidade foi pensada por décadas. “Trata-se de uma cidade utilitarista: a ideia de uma vida doméstica mínima e uma vida pública intensa. Se pensa uma maneira de viver baseada não mais no acúmulo material, mas no que é essencial”, explica o professor doutor Rodrigo Queiroz, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

A arquiteta Carolina Bueno ressalta como ideais do modernismo ainda ecoam pela capital paulista. “A busca pelo essencial no design, sem adornos, é um princípio até hoje norteador de práticas arquitetônicas e urbanísticas.”

Edifício Prudência, de Paulo Mendes da Rocha e João Eduardo de Gennaro. Foto: Tiago Queiroz/Estadão-2006

Para a professora doutora Maria Eliza Pita, da PUC Campinas, no caso da Bauhaus as ideias transcendem a arquitetura ou o mobiliário e refletem a vida urbana. “Morar coletivamente numa cidade que oferece equipamentos para o suporte da vida é uma ideia dos arquitetos modernos e foi ocasião privilegiada de experiências em bairros residenciais propostos pela Bauhaus.”

Na capital paulista, um dos bairros mais influenciados pela escola é Higienópolis, explica o arquiteto José Roberto Basiches. “Podemos ver ali muita influência da Bauhaus. Prédios seguindo princípios e traduzindo toda essa influência numa excelente arquitetura, com volumes simples, geométricos, linhas retas.”

Para ilustrar o legado da escola alemã na capital paulista cem anos após seu nascimento, o Estado conversou com especialistas e elaborou uma lista de prédios bauhausianos que merecem atenção na cidade. Confira o especial clicando aqui. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.