Com vista para Los Angeles, propriedade está à venda por US$ 1 bilhão

Com vista para Los Angeles, propriedade está à venda por US$ 1 bilhão

Terreno está à venda para ser propriedade pessoal; ninguém até hoje chegou perto de cruzar esse valor na compra de uma propriedade pessoal

Claudio Marques

31 de julho de 2018 | 06h58

Terreno tem 635 mil metros quadrados e fica no topo do local agora chamado de Montanha de Beverly Hills. Foto: Beth Coller/The New York Times

Candance Jackson / The New York Times

Uma propriedade que será colocada à venda em Los Angeles tem 635 mil metros quadrados de terra no topo do cobiçado CEP 90210 de Beverly Hills, a 10 minutos de carro da badalada Rodeo Drive. Com suas vistas de 360 graus, pode-se identificar muitos dos principais marcos de Los Angeles ao longe, de Century City até o centro da cidade, e até mesmo – em um dia claro – o Oceano Pacífico. Há estradas sinuosas e privadas que levam a gramados grandes e planos do tamanho de campos de futebol.

Quanto custa?  O incrível preço de US$ 1 bilhão.

Aaron Kirman da imobiliária Pacific Union, encarregado da venda, conduziu recentemente alguns visitantes ao redor da propriedade, enumerado seus incontáveis destaques e chamando atenção mais de uma vez que era grande o suficiente para acomodar toda a Disneylândia e a Califórnia Adventure, outro parque da Disney. (O local, em uma área de Los Angeles conhecida como Beverly Hills Post Office, recentemente batizado como a Montanha de Beverly Hills, vem com permissão para construir quase 140 mil metros quadrados de espaço vital em vários edifícios.)

Vista para mansões e suas piscinas

Com vista para algumas das mansões mais caras de Los Angeles e suas piscinas abaixo, dava a sensação surreal de um campo de golfe vazio no topo de uma montanha, no meio da cidade, com gramados grandes e bem cuidados mantidos verdes por abundantes irrigadores.

Quando Kirman se dirigiu ao ponto mais alto, ouviram-se os rotores de um helicóptero à distância, não muito acima do nível dos olhos.

Kirman vai ter de convencer alguém da ideia de que é uma boa ideia gastar US$ 1 bilhão em uma propriedade pessoal. Ninguém ainda sequer chegou perto de cruzar esse limite, pelo menos não publicamente. Em 2014, um complexo de mais de 72.800 m² à beira-mar em Hamptons foi vendido por US$ 137 milhões – o recorde de uma casa unifamiliar nos Estados Unidos. Este ano, uma propriedade em Malibu foi vendida por US$ 110 milhões, o recorde do condado de Los Angeles. Um príncipe saudita pagou US$ 300 milhões por uma propriedade na França, considerada o preço mais elevado já pago por uma casa no mundo.

Todas essas propriedades incluíam casas. Esta montanha de Beverly Hills não. Até agora, as propriedades mais caras disponíveis para venda na área foram mais de 485 mil m² em Beverly Hills que o cofundador da Microsoft Paul Allen listou este mês por US$ 150 milhões e um lote de mais de 392 mil m² nas proximidades, que está cotado em US$ 250 milhões. (Ambos ainda estão à espera de compradores.)

Em 2016, a Mansão Playboy foi vendida por US$ 100 milhões, um recorde para uma propriedade residencial. Foto: Fred Prouser / Reuters

Preços Preços “jamais vistos”

Billy Rose, cofundador e presidente da Agency, uma corretora de imóveis de luxo que não é filiada às vendedoras de imóveis de bilhões de dólares, disse que os lotes nos bairros mais caros de Los Angeles e Beverly Hills podem chegar a quase US$ 20 milhões por acre, se tiverem belas vistas.

“Estamos vendo preços pela terra que nunca vimos antes”, disse ele.

Ao longo da última década, mais ou menos, o mercado imobiliário de luxo de Los Angeles — que até recentemente era considerado uma barganha em comparação com outros centros globais, como Nova York e Londres – vem passando por um boom sem precedentes. A cidade é cada vez mais um atrativo para os compradores ricos que procuram imóveis que tenham amplo espaço interno e externo.

“Você pode ter uma propriedade palaciana aqui”, disse Rose. “Não se pode comprar terras assim em outras grandes cidades metropolitanas. Aqui é possível ter sua casa, seu carro e sua garagem.”

Com tanto dinheiro entrando em Los Angeles, grandes propriedades que foram divididas em lotes menores nas décadas de 1950 e 1960 estão sendo reagrupadas, disse Jeff Hyland, da Hilton & Hyland, que que está no portfólio de Allen. Mas, diferentemente das propriedades dos booms anteriores, os mais caros hoje em dia estão em geral fora do alcance das estrelas de Hollywood.

Os bilionários e os titãs da tecnologia são os novos compradores de imóveis, disse Hyland, que também é autor de The Legendary Estates of Beverly Hills (Os imóveis lendários de Beverly Hills). Recentemente, Jeff Bezos, o presidente-executivo da Amazon, pagou US$ 12,9 milhões por meio acre de seu vizinho, aumentando sua propriedade para um total de 10.117 m².

Uma planilha de compradores em potencial

Embora esse lote principal seja dividido em seis lotes, Kirman a comercializa como um composto familiar para um único comprador. Puxando uma planilha colorida que, segundo ele, incluía os nomes de cerca de 2.800 bilionários, ele contou que, segundo seus cálculos, cerca de 50 a 100 pessoas da lista estariam no mercado para tal propriedade – a realeza do Oriente Médio ou a oligarquia russa sendo algumas das possibilidades que ele pregava. (É improvável que um empreiteiro seja capaz de ganhar dinheiro suficiente subdividindo esse terreno caro e construindo várias mansões de nove dígitos para justificar o risco.)

Kirman disse que, nas próximas semanas, vai contratar um projetista para construir um grande cubo de vidro na propriedade, onde ele poderá entreter potenciais compradores. Também contou que está considerando maneiras de permitir que bilionários qualificados passassem uma noite lá, possivelmente em uma tenda no estilo de beduínos.

O próximo proprietário da propriedade, Kirman disse, provavelmente virá do exterior e estará procurando fazer sucesso com uma compra ousada. “Acho que o preço tornará alguém bem conhecido”, disse ele. / Tradução de Claudia Bozzo

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.