Condomínios apostam nos aplicativos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Condomínios apostam nos aplicativos

Administradoras investem em tecnologias para agilizar e facilitar a comunicação via internet com síndicos e moradores

EDILAINE FELIX

08 de maio de 2016 | 08h01

SCA SÃO PAULO 04/05/2016 - CARREIRAS & EMPREGOS - OPOTUNIDADES / IMÓVEIS - Fotos do síndico profissional Leandro Vediner Leitão, responsável por 10 condomínios, onde recebe e faz contato com condôminos através do aplicativo da administradora.FOTO SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

Síndico profissional Leandro Vediner Leitão

Na semana em que o aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp foi bloqueado pela segunda vez no Brasil deixando os 100 milhões de usuários desconectados, administradoras de condomínios e síndicos que, embora utilizem também esse comunicador, mostram como recorrer a outras ferramentas de comunicação para melhorar o dia a da operação.

“No site da administradora já é possível a comunicação entre síndico, administradora e morador. Mas não é apenas troca de informações, há também a transparência na prestação de contas e na operação, no dia a dia do prédio”, diz o diretor da Manager Condomínios, Marcelo Mahtuk, que lançou o aplicativo Manageradm.

No aplicativo, é possível solicitar a segunda via do boleto da taxa condominial, avisar ou obter informações da portaria sobre visitas, reservar uma área comum, acessar a ata da última assembleia ou o regulamento interno, além de permitir o contato direto com o porteiro e conversar com moradores, síndicos e com a administradora.

De acordo com Mahtuk, o aplicativo da Manager também oferece acesso à prestação de contas do condomínio, além de permitir a visualização de relatórios financeiros e comprovantes, entre outros documentos administrativos.

“A comunicação dos condomínios precisa estar cada vez mais ágil”, diz o diretor, que realizou uma pesquisa e após entender as necessidades e o uso da tecnologia pelos moradores e gestores criou o aplicativo. “A pesquisa mostrou que eles querem informações ágeis e transparência nos números.”

Já o síndico consegue acessar em uma área exclusiva do app o saldo, as contas a pagar, as unidades inadimplentes, além de simplificar a conversa diária com os condôminos, portaria, zelador e administradora.

Vantagens. Para o síndico profissional e dono da SMP Condomínios, Leandro Vediner Leitão, de 39 anos, a comunicação via internet trouxe muitos benefícios para a gestão. “É vital. Apesar da pasta de prestação de contas ainda ser usada por muitos síndicos, a tecnologia consegue dar mais rapidez aos processos do condomínio e mais tempo para cuidar do dia a dia”, diz.

Além de utilizar o sistema de comunicação da administradora, ele tem um grupo no WhatsApp com os conselheiros de cada condomínio, para falar sobre decisões e resoluções mais imediatas. “Mas eu me adapto ao perfil do morador, falo por e-mail e atendo às solicitações no site, aplicativo. Cerca de 35% dos condôminos utilizam a internet para buscar informações do condomínio”, acrescenta.

Na opinião do síndico profissional, o aplicativo facilita a conversa com a administradora e com os moradores, além de permitir o compartilhamento dessas informações. Segundo ele, a prestação de contas, por exemplo, demorava até 15 dias para ser avaliada por todos os conselheiros. Hoje, a partir da disponibilidade no site e com o acesso simultâneo, em até três dias a avaliação é realizada.

No entanto, ele lembra que é preciso ensinar condôminos e funcionários sobre as facilidades do uso. “É um produto bacana, mas todos devem ter interesse em utilizar, seja pelo computador ou pelo celular”, diz.

SÃO PAULO 05/05/2016 IMOVEIS COMUNICAÇÃO DIGITAL- AS ADMINISTRADORAS E SINDICOS E MORADORES ESTAO UTILIZANDO APLICATIVOS ONDE AUXILIA OS CONDOMINIOS E CASO DO CONDOMINIO FOREST HILL NO BAIRRO DO MORUMBI foto do subsindico Edurado Nogueira FOTO ALEX SILVA/ESTADAO

Subsíndico Eduardo Nogueira

Para a gerente de relacionamento com o cliente da Lello Condomínios, Angelica Arbex, é preciso liberar as informações em sites e aplicativos para facilitar o relacionamento entre gestores e moradores. “Todo processo de gestão financeira está disponível no aplicativo da administradora e com espaço para o condômino comentar e perguntar. As questões que são enviadas para uma central, são respondidas em 24 horas e dúvidas operacionais são encaminhadas para o síndico”, esclarece.

Segundo Angelica, é preciso convidar o morador a participar do dia a dia do prédio e o digital auxilia nesta proposta. “O aplicativo foi uma decisão acertada. Embora 10% dos síndicos ainda prefiram a pasta de papel, o restante já aderiu a comunicação digital”, completa.

Controle. O subsíndico Eduardo Nogueira, realiza toda a gerência do condomínio pela internet. “Eu utilizo muito o site. Faço controle, vejo contas, inadimplência, e agora com o aplicativo posso utilizar de qualquer lugar, na palma da mão.”
Para Nogueira, a comunicação digital torna o dia a dia do condomínio mais fácil, “posso falar com o síndico, com o gerente de condomínio, a administradora e saber as demandas dos condôminos”. Ele destaca que no site não há tantas opções de interação como as disponíveis no aplicativo. “Para quem é usuário de smartphone, é possível ganhar tempo para fazer outras atividades”, diz.

Essencial. Para o síndico morador que está no terceiro mandato, Rudolf Zimermann, a internet é fundamental e permite uma gestão mais assertiva. “A comunicação foi melhorando. Hoje, ajuda a fazer uma gestão mais profissional e próxima do condômino”, acredita.

Ele conta que quando assumiu, em 2012, a comunicação era bastante focada no caderno de ocorrências na portaria e ele foi implantando mais tecnologia no dia a dia do condomínio. Hoje, já utiliza o aplicativo para solucionar problemas, fazer reservas, autorização de acesso. “A aceitação é alta, mas ainda tem quem utilize o caderno e precisamos entender. Nunca deixei de lado nenhum meio de comunicação”, diz.

Uso de tecnologia deve estar alinhado a perfil do morador

O diretor de condomínios do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Sergio Meira de Castro Neto lembra que a introdução da tecnologia nos condomínios deve estar atrelada ao perfil dos usuários. “Os prédios têm moradores de zero a 80 anos, e alguns são resistentes à tecnologia. Este é um momento de transição e não é possível migrar totalmente para o virtual, gestores precisam buscar o equilíbrio, utilizar a comunicação digital, mas também os comunicados impressos, por exemplo.”

Para o diretor do Secovi, a comunicação via sites e aplicativos veio para ficar nos condomínios. Mas é necessário fazer ajustes, conhecer o perfil do morador e saber como usar e se o formato é útil.

Castro Neto destaca que para os condomínios-clubes, pelo tamanho, quantidade de moradores, de áreas, a comunicação digital é bastante importante. “É preciso criar ferramentas: sites, aplicativos, biometria, cadastros, tudo online. O digital facilita o dia a dia e dá mais segurança aos gestores e moradores.”

O presidente da Associação dos Síndicos de Condomínios Residenciais e Comerciais do Estado de São Paulo (Assosindicos), Renato Daniel Tichauer lembra que este é um mercado enorme, com aproximadamente 40 mil edifícios na cidade de São Paulo e alta movimentação financeira.

“Os condomínios têm receitas enormes e precisa da tecnologia para auxiliar nessa gestão”, diz. Para ele, os programas de computadores e os aplicativos auxiliam na rotina. “É possível receber avisos de tarefas periódicas a serem realizadas pelo síndico, como recarga do extintor e compras, por exemplo. Com isso, a possibilidade de erro diminui”, acredita.

Início. Investindo na melhoria da comunicação entre administradora, síndicos e condôminos, a administradora de condomínios Auxiliadora Predial decidiu entrar no mercado de aplicativos. O gerente Julio Herold esclarece que a novidade foi lançada este mês e para apresentação foi feita uma cartilha, explicando que, através do app o morador pode reservar o salão de festas, liberar a entrada na portaria com antecedência, o síndico pode falar com os condôminos, que pode pegar a segunda via do boleto, por exemplo.

“Mais de um ano de trabalho e pesquisa para oferecer uma ferramenta que facilite o dia a dia e dê mais transparência a gestão. Esperamos que 80% da carteira seja atingida”, diz.